Fundação Cidade das Artes

Programação » RIO H2K 2017 – Festival Internacional de Danças Urbanas

Evento Encerrado

RIO H2K 2017 – Festival Internacional de Danças Urbanas



RIO H2K 2017 – FESTIVAL INTERNACIONAL DE DANÇAS URBANAS De 13 a 18 de junho, Rio H2K 2017 ocupa diversos espaços da Cidade das Artes e os teatros Carlos Gomes e Cesgranrio.

 

Ingressos: 

RIO H2K 2017 - ESPECES - Compre aqui! 

RIO H2K 2017 - SHOWCASE - Compre aqui! 

RIO H2K 2017 - MOSTRA NOVOS RUMOS - Compre aqui! 

RIO H2K 2017 - BATTLES - Compre aqui! 

 

Festival traz coreógrafos e companhias brasileiras e estrangeiras de sete países: Alemanha, Angola, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Inglaterra e República Tcheca.
 

Programação para todos os públicos e idades inclui espetáculos, workshops, competições, batalhas de danças, bate-papos e festas. Entre 13 e 18 de junho, o Rio de Janeiro é palco da sétima edição do Rio H2K.

O festival internacional promove as danças urbanas e suas múltiplas vertentes de forma ampla e acessível a todos os públicos e idades. A abertura oficial está marcada para o dia 13, no Teatro Municipal Carlos Gomes, com duas atrações inéditas no Brasil: Lil Buck, jovem dançarino americano de street dance, e Cie Zahrbat, companhia francesa de hip-hop e dança contemporânea. No dia 14, o trio franco-brasileiro formado por Cyrille Brissot, JP Black e Wagner Faria apresenta o projeto multimídia Incandescente 24hLuz, no Teatro Cesgranrio. De 15 a 18, o Rio H2K ocupa a Cidade das Artes, onde a programação inclui espetáculos, workshops, competições, batalhas de danças, bate-papos e festas. 

O Rio H2K tem direção do produtor Miguel Colker. A direção artística é de Bruno Bastos, que divide a curadoria da mostra de espetáculos com o francês Guy Darmet, ex-diretor da Bienal de Dança de Lyon e da instituição Maison de la Danse.“Queremos inspirar as pessoas a dançar. É um festival que coloca mais o público para dançar do que para assistir”, diz Colker, sem deixar de enfatizar o compromisso que eles têm em incentivar e fomentar a profissionalização das companhias de danças urbanas no país, além de investirem em ações sociais em quatro comunidades do Rio, com aulas regulares, durante o ano. “Pela primeira vez, vamos patrocinar um grupo amador de street dance com um prêmio de R$ 15 mil, para ser investido na montagem de um espetáculo que será apresentado na edição do ano que vem”, adianta o diretor.

 

Desde a sua primeira edição, em 2011, a essência do Rio H2K é a dança urbana e os seus diferentes gêneros, que vão desde os estilos originais que surgiram nos Estados Unidos, entre as décadas de 1960 e 1980 (breaking, hip hop, dance house, locking e popping) até as criações mais recentes (dancehall, krumping, stiletto e videodancing). Em 2014, o festival incorporou com sucesso aulas de sapateado e batalhas de passinho. “Nesta edição, vamos ampliar ainda mais o leque com novas danças. Teremos professores de afromix, coco de roda, jongo, samba e zouk”, explica Bastos. “Nós temos uma parceria com o maior dance camp da Europa, o Fair Play Dance Camp, na Polônia. Na última edição, eles fizeram uma promoção e uma dançarina da Espanha ganhou uma bolsa para vir fazer aulas no festival deste ano. Agora, nós faremos essa mesma promoção para levar um brasileiro para participar do Fair Play, em agosto”, destaca Bastos. 

 

Durante seis dias, a cidade recebe importantes coreógrafos e companhias brasileiras e estrangeiras de sete países: Alemanha, Angola, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Inglaterra e República Tcheca. A programação se concentra na Cidade das Artes. No maior complexo cultural da cidade, o Rio H2K ocupa os espaços tradicionais (Grande Sala, foyer superior da Grande Sala, Teatro de Câmera, Sala de Música Eletroacústica, Sala de Dança e Sala 1) e cria três novos ambientes (Praça, Palco Start e Palco Solar) para receber os workshops e as apresentações do Showcase.

Para quem quiser ter a experiência de viver 24 horas dentro do festival e acampar ao ar livre, na Cidade das Artes, o Kemp é uma oportunidade única. As barracas individuais são dispostas no jardim e estão disponíveis para quem adquirir o “passaporte com acampamento”. A produção oferece vestiários com chuveiros, área de convivência (com pontos de energia), água potável e posto médico. O regulamento completo está disponível no site do evento. 

MOSTRA DE ESPETÁCULOS

O festival programou seis espetáculos nacionais e estrangeiros. A abertura oficial do Rio H2K 2017 está marcada para o dia 13 de junho, no Teatro Municipal Carlos Gomes, com duas atrações inéditas no país: Lil Buck & Facundo Estefanell e Cie Zahrbat. 

Nascido em Chicago, o jovem dançarino americano de street dance Lil Buck ficou conhecido depois que o cineasta Spike Jonze gravou e divulgou no YouTube a sua performance The Dying Swan, ao lado do violoncelista Yo-Yo Ma, em 2011. De lá pra cá, Buck fez parte da turnê MDNA World Tour, da Madonna; e do show Michael Jackson: The Immortal World Tour, do Cirque du Soleil. Lil virou também queridinho de marcas internacionais. Ele dança com Mikhail Baryshnikov no comercial da linha masculina da Rag & Bone. Criou uma exclusiva linha de sapatos e camisas inspiradas no seu próprio estilo para a Versace e apresenta o fone sem fio do iPhone 7 dançando pelas ruas da Cidade do México. Para a performance The Swan, Lil Buck estará acompanhado do jovem músico uruguaio Facundo Estefanell, que mora no Brasil e é chefe de naipe na Orquestra Sinfônica Cesgranrio, no Rio. 

Na mesma noite, a companhia francesa Cie Zahrbat apresenta Sillons. O coreógrafo Brahim Bouchelaghem foca em um dos temas mais essenciais para a dança: o espaço. Cercado por quatro dançarinos de diferentes técnicas – hip-hop e dança contemporânea – ele cruza o palco, com paixão e passadas fortes, buscando incansavelmente extrair a essência que rege esse tema, além da área do palco estão escondidos indivíduos, o que os liga ou os separa. Cada artista é responsável pelo seu trajeto e cada individualidade ecoa no grupo, criando uma área comum que dá existência a relacionamentos invisíveis entre os corpos. A batida da música eletrônica tocada por Nicolas Zorzi e a presença magnética dos dançarinos são os elementos que conduzem essa montagem hipnotizante.

No dia 14 de junho, o Teatro Cesgranrio recebe o trio franco-brasileiro formado por Cyrille Brissot, JP Black e Wagner Faria para uma apresentação do projeto multimídia Incandescente 24hLuz. O espetáculo é um encontro artístico, científico e cultural, entre a arte urbana e as novas tecnologias, entre França e Brasil, entre a dança de rua e a música eletrônica em tempo real, entre o grafite e a tecnologia visual digital. O trio proporciona um espetáculo visual e sonoro. A mistura de sons, luzes e imagens na live performance provoca uma reflexão sobre a dificuldade de viver a realidade de todos os dias e a possibilidade de transformação que nasce na fusão da arte com a vida.

Na Grande Sala da Cidade das Artes, o público confere duas apresentações no dia 15 de junho, com os artistas franceses Antoinette Gomis e Enfants Prodiges. Criado e interpretado por Gomis, Images é um solo inspirado na música da cantora e compositora americana Nina Simone. Apontada como um dos principais nomes do cenário da dança urbana francesa, fez parte do musical Kirikou, dirigido por Wayne McGregor, além de ter se apresentado com Madonna, em Nova York, e Chiambretti, no Sunday Night Show, em Milão. Além de dançarina e coreógrafa, Gomis é modelo e já estrelou campanhas para marcas como Nike, Adidas e Puma. 

Enfants Prodiges é formado por Frankwa, Bouboo, Malkom, Nelson, Dee, Willow, Marvin, Kefton, Chakal and Kapela – considerados os dez melhores dançarinos da cena hip hop da França. Cada um deles construiu sua reputação por meio de conquistas nas maiores batalhas pelo mundo e por trabalhar com grandes artistas e marcas. No palco, eles alternam, sem esforço, entre várias técnicas e estilos (top rock, house, newstyle, locking, krump, breaking e popping).

 

MOSTRA NOVOS RUMOS

No dia 17 de junho, o Teatro de Câmara, na Cidade das Artes, recebe a Mostra Novos Rumos, um espaço para jovens companhias e talentos brasileiros mostrarem seus espetáculos. Nessa edição, o Rio H2K programou apresentações dos grupos Brainstorm Dance Company, D-Efeitos e Xstyle Dance Company.

A Brainstorm Dance Company apresenta Físico, Verbal e Emocional, espetáculo que traz à tona a violência contra a mulher. Apesar de polêmico e forte, o tema é abordado de maneira leve e tem como intuito, por meio da arte, construir um mundo com mais igualdade, solidariedade e liberdade.

O grupo paulista D-Efeitos mostra D-Versos, um trabalho que mistura dança urbana e influências da glitch art – estética que tem como ponto de partida “defeitos digitais”, como imagens distorcidas e pixels estourados. O show se ambienta em “Mutrópolis”, cidadelaboratório fictícia dos robôs. Os dançarinos se apropriam de diversos estilos (waving, animation, robboting e warping) para simularem os movimentos das máquinas e as imperfeições que podem vir a apresentar.

 

Já os cariocas do Xstyle Dance Company apresentam Du Rio, espetáculo que mostra a cidade do Rio de Janeiro por meio de diferentes pontos de vista. No palco, os bailarinos passeiam pelos quatro cantos da cidade, mostrando os inúmeros tipos de cariocas com suas singularidades, conexões, diferenças, qualidades, desafios e perspectivas.

WORKSHOPS

Ministrados por coreógrafos internacionais e nacionais, os workshops de diferentes estilos estão disponíveis para todos os públicos (iniciante, intermediário e profissional). O Rio H2K traz dançarinos que já trabalharam com artistas consagrados do pop mundial, como Britney Spears, Beyoncé, Justin Bieber, Justin Timberlake, Madonna, Rihanna, Ne-Yo, Usher, entre outros. Os coreógrafos convidados: 

Anthony Lee (Estados Unidos) – Inédito no Brasil Um dos fundadores do remorado grupo Kinjaz, radicado em Los Angeles, Anthony Lee ganhou grande destaque na oitava temporada do programa America’s Best Dance Crew. Sua principal característica é combinar música e danças urbanas como uma forma de contar histórias. Lee também participou dos programas Dancing WithThe Stars e The LXD: The Legion of Extraordinary Dancers. Ele é um dos coreógrafos mais requisitados mundialmente e seus vídeos no YouTube têm milhões de visualizações.

Andre Bidu (Brasil) Criador do grupo de pesquisas D-Efeitos, Andre Bidu é um dos mais antigos pesquisadores do estilo popping do Brasil. É campeão nas maiores competições de popping do país, sendo tricampeão no Rio H2K. Viaja o país como professor, jurado e orientador. Competiu em diversos programas na televisão e venceu várias edições do Festival de Dança de Joinville.

Ian Eastwood (Estados Unidos) Supervisor de coreografia do badalado filme Breaking Through – No Ritmo do Coração, longa-metragem inédito que conta com a participação de Anitta e Bruna Marquezine, Ian Eastwood vem ao Rio pela primeira vez. Nascido em Chicago e atualmente morando em Los Angeles, o jovem dançarino de 23 anos é conhecido por seu estilo contagiante. Começou a dançar aos dez anos e aos 13 já era um fenômeno no YouTube. De lá para cá, coreografou e estrelou videoclipes de Justin Bieber, Tori Keller, Vic Mensa e Trevor Wesley. 

 

Bboy Junior (França) Natural na República Democrática do Congo, Junior Bosila Banya, o Bboy Junior, é considerado um dos melhores dançarinos de break do mundo. Ele se destaca por ter desenvolvido sua própria técnica. Aos dois anos, Bboy contraiu poliomielite, mas isso não impediu que brilhasse no break. Fenômeno da internet, seus vídeos têm mais de 10 milhões de acessos. Em 2000, Bboy se juntou ao coletivo Wanted Posse. Com o grupo, interpretou diversas criações como Bad Moves (2002), Trance (2006) e Konnexion (2010). Participou de vários programas de TV em todo o mundo e ganhou o France's got talent (2007). 
 

Dashaun Wesley (Estados Unidos) – Inédito no Brasil Considerado o Rei no Vogue, Dashaun Wesley participou, em 2016, da turnê mundial de Rihanna, como um dos seus principais dançarinos. Sua coreografia The 5000 fez dele uma sensação na internet, conquistando milhões de hits no YouTube. Participou do MTV America’s Best Dance Crew e fez campanhas para a Coca-Cola. E ainda tem tempo para a militância sobre a causa do HIV, principalmente na conscientização de crianças e jovens. 
 

Dylan Mayoral (Inglaterra) – Inédito no Brasil Dançarino e coreógrafo londrino, o jovem Dylan Mayoral, de 19 anos, iniciou a carreira aos sete no teatro musical. Artista versátil, já fez diferentes trabalhos que vão desde dança a acrobacias em megaeventos, comerciais de TV, desfiles de moda, vídeos de música, performances teatrais e muito mais. Mayoral já se apresentou em locais de prestígio como The Royal Opera House, The Royal Festival Hall, The Royal Albert Hall, entre outros. Em 2015, formou-se na The BRIT School of Performing Art, onde recebeu formação rigorosa em balé, dança contemporânea, jazz e sapateado. 

 

Flockey (Alemanha) Nascido na Alemanha, Flockey começou a dançar em 2004 e atualmente é um dos mais bem-sucedidos em locking do mundo. Membro da Bad Newz Mp, nos últimos anos ganhou vários eventos internacionais como o U.K BBOY Championship e o World Dance Colloseum, em Tóquio, além de apresentar seu novo show Slave of the own, no Breakin Convetion, em Londres. 

 

Hoan (Correia do Sul) – Inédito no Brasil Atual campeão de popping do Juste Debout 2017, maior evento de batalha do mundo, o sulcoerano Hoan já ganhou mais de 50 batalhas do estilo em campeonatos na China, Coreia, França, Inglaterra, Japão e Amsterdam. Hoan também será um dos jurados do Rio H2K Battles.

 

Israel Alves (Brasil) Integrante do grupo Remiwl Street Crew, o mineiro Israel Alves conquistou o primeiro lugar na batalha de dancehall do Juste Debout 2017, o maior evento de batalha do mundo. Ele ainda foi um dos três brasileiros convidados para participar do espetáculo Dare to Dancehall, dirigido e criado por Laure Courtellemont Ragga JAM e Babson Baba Sy, apresentado em março passado em Paris, reunindo bailarinos da cena mundial do dancehall.

 

Steven Harper (Estados Unidos/Brasil) Sapateador, coreógrafo, professor e produtor, Steven Harper é um dos principais incentivadores da arte do sapateado no Brasil. Residente no Rio de Janeiro desde 1991, Harper é uma figura requisitada nos palcos e nas salas de aulas do país e do exterior. Já trabalhou em quatro continentes e abriu caminho para o sapateado em grandes eventos como o Festival de Jazz de Montreux (2000), Back 2 Black (2009), desfile Carnaval no Rio de Janeiro (2011), Rock in Rio (2011 a 2015, no palco Rock Street) e o Rio H2K. É coreógrafo da comissão de frente da escola de samba Mangueira e é um dos organizadores, com Adriana Salomão, do festival Tap in Rio.

Mecnun Giasar (Alemanha) Ele já se apresentou e deu aulas em quase todos os países da Europa e da Ásia e, recentemente, começou a viajar pelo planeta. Seu estilo diferente e versátil o levou a renomados estúdios de dança pelo mundo. Além de ensinar, Mecnun Giasar tornou-se um dos principais juízes no World of Dance Tour em toda a Europa e também o juiz no Hip Hop Internacional em países como Israel, Espanha, Itália, Alemanha e Peru.

 

Mateus dos Anjos (Brasil) Nascido em Brasília, Mateus dos Anjos é professor, coreógrafo e dançarino reconhecido internacionalmente. Atualmente reside em São Paulo, onde desenvolve suas pesquisas em dancehall e atua como professor no Westside Full Dance Studio. Também tem formação em balé, dança de salão e várias danças brasileiras. Já ministrou workshops em outros países como Bélgica, Portugal e Argentina. Foi campeão na batalha com dançarinos de dancehall no evento Level Up, em 2015, no Chile. Recentemente dançou no Dare to Dancehall, o primeiro show do estilo no Festival La Villete.

 

Jaja Wankova (República Tcheca) Dançarina do I.aM.mE Crew, grupo campeão da sexta temporada do MTV's Americas Best Dance Crew, Jaja Wankova também participou do Paramount's League of Extraordinary Dancers, mais conhecido como The LXD, e do filme Step Up 5 interpretando a Robot Girl. Wankova venceu diversas competições de dança urbana e batalhas, além de ter participado de campanhas para marcas como Nike, Puma, Vlado, Scoodie e Aqua. Ela também coreografou e estrelou vídeos para artistas como Skrillex, Nick Cannon e Far East Movement.

 

Kinho (Brasil) Artista e dançarino, Kinho fez parte da primeira geração de dançarinos do estilo Passinho. Participou das primeiras batalhas oficiais da modalidade, promovidas pelo Sesc e pela CocaCola, Kinho foi tema de reportagens em diversos programas de televisão. Fez parte do elenco da abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e é um dos personagens do filme Batalha do Passinho. Atualmente sustenta o título de campeão do Festival RioH2K e dá aulas na Cidade de Deus, onde mora.

 

Aline e Charles (Brasil e Estados Unidos) A dupla se conheceu na cidade de Nova York. Quando perceberam que ambos eram brasileiros e dançarinos, decidiram unir suas técnicas em parceria. Charles contribuiu com as danças urbanas e Aline, com as de salão. No exterior, ministraram aulas no Boston Brazil Dance Festival, LA Zouk Congress, Fujairah Latin Festival (Emirados Árabes), Brazuka Dance Festival (Moscou) e I'm Zouk (Miami), onde foram surpreendidos quando o vídeo da performance da dupla obteve mais de 50 milhões de visualizações no Facebook. Produziram três de seus diversos vídeos artísticos, sendo que It won't Stop (2014) foi compartilhado no Instagram por Justin Bieber.

 

Guiga de Souza (Brasil) Como professor, coreógrafo e bailarino, Guiga de Souza passou pela Bélgica, México, República Tcheca, Argentina, Brasil e Estados Unidos, onde fez parte da crew oficial de dançarinos do palco Street Dance, no Rock in Rio Las Vegas, junto a grandes nomes das danças urbanas no mundo, como Bryan Tanakna, e tendo como coreógrafos Shaun Evaristo, Jillian Meyers, Tony Tzar e Filipi Ursão. Atualmente, atua como o diretor idealizador do Epifania Dance Project, que visa à formação de dançarinos profissionais, e integra o Brainstorm Dance Company, grupo com premiações nacionais e internacionais. 

 

Dilo Paulo e Lenna Santos (Angola) Bailarino da Cia de dança Deborah Colker, o angolano Dilo já fez participações em programas da TV Globo (Esquenta e Encontro com Fátima Bernardes) e ganhou prêmios como melhor grupo de hip hop da capital de Angola (2011) e no concurso Bounce Angola. Lena, também angolana, passou pela Escola Estadual de Danças Maria Olenewa. Formou-se no Conservatório Brasileiro de Dança e entrou na Cia Brasileira de Ballet, onde permaneceu por oito anos. Em 2016, trabalhou como bailarina profissional na abertura dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Juntos, fundaram o projeto Intercâmbio de Dança Angola e Brasil.

 

Fernanda Fiuza (Brasil) Iniciou seus estudos na Claude Debussy Instituto de Música e Dança. Foi finalista programa Se ela Dança eu Danço (SBT), participou da abertura dos shows da Beyoncé no Brasil, dançou com a cantora Wanessa Camargo e com Kanye West em sua turnê no país. Integrou o elenco do musical londrino Thriller Live Brasil Tour e Dance Captain, coreografado e dirigido por Gary Loyd. Trabalhou como dançarina e coreógrafa ao lado de Bryan Tanaka no último DVD da cantora Wanessa Camargo. Coreografou vídeo clipes para Wanessa, NX Zero e Thiago Abravanel.

 

Filipi Escudine (Brasil) Bailarino da Cia Deborah Colker, Filipi Escudine coreografou campanhas publicitárias de marcas como Adidas, Nike, Samsung, Reebok, Heinikken, entre outras. Trabalhou com artistas diversos artistas: Ludimila, Valesca Popozuda, Xuxa, Lorena Simpson, Turbo double T. (EUA), Celeste Bukinnham (ING) e Ben Cristivao (Rep.Theca). Começou sua carreira no grupo Xstyle Dance Company, onde obteve conquistas no cenário nacional, como principal premiação o festival internacional de Curitiba. Fez turnê com o GRN (Grupo de Rua) com o espetáculo H3. Coreografou os grupos Out Of Bounds e JAD Dance Company, da República Tcheca.

 

Jefferson Antônio (Brasil) Coreógrafo e bailarino, Jefferson Antônio teve sua base na dança de rua e nos bailes black cariocas. Fez parte da Cia de Dança Deborah Colker, entre 1994 e 2005, pela qual voltou a se apresentar como bailarino convidado, entre 2006 e 2010. Integrou a Intrépida Trupe e comissões de frente e alegorias de escolas de samba do carnaval carioca e do Festival de Parintins. Participou de diversos videoclipes e trabalhos em televisão e cinema. É professor e diretor responsável pelo Projeto Social Rio H2K, no Viaduto de Madureira. Jeff é diretor, intérprete e criador do grupo de dança CiaD Fora. 

 

Josh Antonio (Brasil) Filho do bailarino Jefferson Antonio, foi integrante do Projeto Social do Centro de Movimento Deborah Colker, com o qual se apresentou na 14ª Biennale de La Danse de Lyon, e já fez parte do Grupo de Rua de Niterói – GRN, do diretor Bruno Beltrão. Josh Antonio foi premiado em batalhas de dança de rua nas categorias house dance e hip hop dance e foi professor e coreógrafo do grupo Dream Team do Passinho. Dançou na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Hoje é professor em dois projetos de Danças Urbanas do Rio de Janeiro: From The Block e SPOT, além de fazer parte dos coletivos Bonde do Jack (diretor e coreógrafo), Under Crew, 904 Krump Movement e Xstyle Dance Company. 

 

Juliana Kis (Brasil) Coreógrafa há mais de 12 anos, Juliana Kis é diretora artística e uma das coreógrafas do Brainstorm Dance Company, grupo finalista da competição Batalha no Salto, do programa TV Xuxa (Rede Globo) e vencedor do concurso Rock in Rio Street Dance. Estudou Establish Your Empire, ligado ao Movement Lifestyle, em Los Angeles, onde realizou performances nos eventos Collaboration Urban Dance Competition & Showcase, The Carnival e World of Dance. Atuou como bailarina na Ásia, passando por países como Singapura, China, Vietnã e Coreia do Sul. Em 2016, ministrou workshops na Alemanha. Foi professora e jurada das seletivas do Festival Internacional de Hip Hop e do Festival de Dança de Joinville. 

 

Kauan Gracie (Brasil) Dançarina profissional em diversas disciplinas, como balé clássico, contemporâneo, moderno, jazz, entre outros, Kauan Gracie também é faixa azul na arte marcial Jiu-Jítsu. No Rio H2K, Kauan dará aula de Flexionamento ou Flexibilidade que, como o nome indica, é uma aula que ajuda o dançarino a se esticar para criar mais mobilidade por meio do relaxamento. 

 

Kefton (França) Membro das crews Pro Phenomen, GhettoStyles e Enfant Prodiges, Kefton já dançou com Kylie Minogue e estrelou o show Robin des Bois com M.Pokora. Participou e ganhou muitas batalhas internacionais, entre eles o Hip Hop Forever, Who iz Who, Fusion Street Concept, Hip Hop International e Danse Delight. 

 

Netto Soares (Brasil) É coreógrafo e integrante do balé de artistas como Wanessa Camargo, Nikki (finalista do The Voice) Alinne Rosa (X Factor), Lorena Simpson e Tiago Abravanel. Coreógrafo e preparador artístico do programa Esse Artista Sou Eu (SBT) e Programa do Gugu (Rede Record). Atualmente, Netto Soares mantém seus estudos dentro e fora do país nas melhores instituições de ensino artístico do mundo, como a Broadway Dance Center e Peridance, em Nova York, além de atuar como dançarino profissional, performer, coreógrafo, Netto ministra aulas, cursos e workshops.

 

Nobru de Souza (Brasil) Especializado em hip hop dance, locking, R&B, Nobru utiliza elementos de outras danças para combinar com seu estilo, tais como o popping e krumping. Já venceu mais de 100 premiações como coreógrafo e dançarino. Foi membro dos grupos Rua em Dança e Dance 2XS Brasil. É fundador e coreógrafo do Xstyle Dance Company e do Xstyle Europe. Foi coreógrafo do grupo Out of Bounds. Coreografou também a JAD Company, uma das mais prestigiadas companhias da Europa, onde esteve à frente de diversos shows, comerciais, videoclipes e fashion shows. Coreografou e dançou em videoclipes e shows de inúmeros cantores: Jota Quest, Pepe e Nenem, Charlie Brown Jr., AirFare e o astro internacional Craig David. É jurado de competições de grupo no Brasil e na Europa. Atualmente, compõe a banca de jurados do International Dance Federation.

 

Pâmela Carvalho (Brasil) Com licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Pâmela Carvalho desenvolve pesquisa sobre o jongo, remetendo à abolição da escravidão e à contemporaneidade. Ela é técnica em Turismo e estudou e desenvolveu pesquisas em teatro. Trabalha como educadora no Museu de Arte do Rio (MAR) e como dançarina popular. Integra atualmente três grupos de dança e cultura popular: Tambor de Cumba, Tambores de Olokun e Companhia Mariocas.

Pam de Brito (Brasil) Bailarina e uma das coreógrafas do Brainstorm Dance Company, Pam de Brito está na cena das danças urbanas há 15 anos. Mora atualmente em São Paulo e trabalha como professora no Westside Dance Studio. Com apoio cultural da marca Adidas Originals desde 2012, Pam desenvolve trabalhos importantes pelo país como bailarina e professora. Já participou de diversos videoclipes, comerciais, programas de TV, onde foi finalista da Batalha no Salto, na TV Xuxa. Em 2015, foi integrante da Rock in Rio Dance Crew e integrou o elenco profissional na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016, com direção de Deborah Colker. 

 

Rodrigo Marques (Brasil) Diretor artístico da Cia de Dança Carlinhos de Jesus e idealizador do Gafieira Brasil, o maior evento do gênero no mundo, Rodrigo Marques dança há 20 anos. Tem vasta experiência em levar as danças de salão para os palcos e, em 2014, coreografou o espetáculo Ópera do Malandro. Rodrigo representou a cultura brasileira mundo afora, dançando em grandes eventos na China, Cuba, Angola, Espanha e Tailândia. É um grande divulgador da cultura da dança do samba nos Estados Unidos, onde há dois anos realiza workshops e o também o International Samba Congress¸ em Los Angeles.  

 

Rodrigo Soninho (Brasil) Diretor geral do grupo Xstyle Dance Company Brasil, Rodrigo Soninho está envolvido com as danças urbanas há 18 anos. Trabalhou como coreógrafo de shows de televisão, eventos e performances, como a campanha Tocha Olímpica da Coca-Cola, o flashmob da marca Trident, no Rock in Rio, além de ações para marcas como Nike, Vogue, Diesel, Rede Globo, Ford e Caixa Econômica Federal. Como dançarino trabalho no Palco Street, do Rock in Rio e na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Ministrou workshops por todo o Brasil, incluindo Festival Internacional de Hip Hop, e também em países como Argentina, Estados Unidos e República Tcheca.

 

Vini Azevedo (Brasil) Especialista em popping, animation, ground move e roboting, Vini Azevedo é integrante da Cia Discípulos do Ritmo e do Grupo D-Efeitos. Desde 2002, Vini é dançarino de street dance, professor no Westside Dance Studio, de São Paulo, e campeão do Festival de Dança de Joinville, na categoria Solo de Danças Urbanas, em 2015. Foi semifinalista no programa Qual é o Seu Talento, no SBT, e fez participações em programas de televisão e campanhas publicitárias. Ministra workshops em diversas cidades do Brasil e apresenta espetáculos junto com a Cia Discípulos do Ritmo.

 

SHOWCASE

No dia 16 de junho, grupos nacionais e internacionais amadores selecionados pelo festival se apresentam dentro do Showcase, na Grande Sala da Cidade da Artes. Com o intuito de incentivar e fomentar a profissionalização de grupos de street dance do Brasil, pela primeira vez, o evento oferece um prêmio no valor de R$ 15 mil, para ser investido na montagem de um espetáculo que será apresentado no Rio H2K 2018. Os grupos escolhidos serão divulgados no dia 17 de maio, no site do festival. 

RIO H2K BATTLES

No dia 18 de junho, o clima promete ser de competição no encerramento oficial do Rio H2K, na Grande Sala, na Cidade das Artes. O público acompanha a grande final dos duelos do Rio H2K Battles. De cerca de 300 inscritos, 24 são selecionados para participar, sendo quatro de cada categoria: hip-hop, popping, locking, house, breaking e passinho. A TV Brasil transmite a final, ao vivo, diretamente do teatro. Os vencedores de cada categoria levam uma premiação em dinheiro (entre R$ 500 e R$ 1.500) e o título de melhor dançarino do seu estilo.

 

PATROCINADORES E APOIADORES

O Ministério da Cultura, a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e a Secretaria Municipal de Cultura apresentam a sétima edição do RioH2K. Com patrocínio master da Smart Fit e da Technip, o evento conta com patrocínio das empresas Libra Terminais, Multiterminais e Rede Globo, com copatrocínio da Estácio, GL Events, Affero e Delphos. O Grand Mercure Rio Centro Hotel é responsável pela hospedagem oficial dos convidados. O festival tem apoio institucional do Consulado da França, Goethe Institut e Centro de Movimento Deborah Colker. O RioH2K é uma realização da Araucária. A programação diária e os valores dos ingressos estarão disponíveis no site do festival – www.rioh2k.com.br – a partir do dia 15 de maio. 

Dança

Informações Gerais

Datas

15/06 a 18/06

Local

Cidade das Artes

Sala

Praça

Demais Eventos da Programação

Comida, Diversão e Arte 25/04 a 13/11 Outros A CIDADE DAS ARTES tem prazer em apresentar o seu novo projeto: COMIDA, DIVERSÃO E ARTE. Terça-feira é o dia de falarmos sobre GASTRONOMIA, quarta é pra se DIVERTIR dançando e quinta é o dia das ARTES. A cada semana teremos diferentes atrações como oficinas, bate-papos, aulas de dança, exibições de filmes e muito mais.   E o melhor, as atividades são sempre  gratuitas! O projeto é direcionado para adultos com energia de sobra para aprender e trocar saberes, sabores e muitas experiências. Confira a programação:     Toda Quarta-Feira | AULA DE DANÇA DE SALÃO   Professor Everson Costa.     Dia 26 | 16h Aula de Gastronomia | Unindo sabor a saúde com as convidadas Eliane Correa e Lidiane Martins. Para aprofundar e resgatar o conceito de comida saudável,  juntamos a Eliane Correa, no ramo de gastronomia há 20 anos,  Pós em Segurança Alimentar e especialista em cozinha brasileira, com a Lidiane Martins, nutricionista, mestre em educação profissional em saúde, atuando na  área de gastronomia saudável,  como instrutora de cursos para chef de cozinha e técnico em nutrição e dietética. Um delicioso bate-papo sobre alimentação saudável.  Esperamos por você! Vamos aprender juntos a preparar uma sobremesa saudável.   Local: Café das Artes      Dia 28 | 17h | Corpo, Emoção e Sexualidade com os convidados Eugênio Marer e Tânia Maria de Lima. Convidamos os psicólogos Tânia Maria de Lima e Eugênio Marer, que desenvolvem um trabalho super bacana sobre “CORPO, EMOÇÃO e SEXUALIDADE”,  para falar da importância da vida sexo-afetiva para o desenvolvimento saudável do ser humano. No corpo expressivo está a chave do prazer, da alegria, da criatividade. Em seus bloqueios musculares a origem do imobilismo e da angústia. Como restabelecer o fluxo energético e ter uma vida com mais entrega,  profundidade e vitalidade.   Local: Sala de Leitura      [+] saiba mais Pura Vida Training - By Nike Rio | Esporte 19/06 a 22/12 Esporte A partir de 19 de junho, o Pura Vida Training  dá início aos seus treinos fixos na Cidade das Artes.  No plano mensal o aluno poderá treinar quatro vezes por semana e ainda desfrutar do clube de vantagens do Pura Vida.    As aulas misturam Bodyweight, técnicas de Crossfit, de corrida e um trabalho de conscientização mental. Assim surgiu o Pura Vida Training, que vai desenvolver o ser humano de forma lúdica, interativa e com ação eficaz!   De Segunda a Quinta  Manhã 7h às 8h Noite 19h30 às 20h30 Garanta já a sua vaga, clique aqui.   [+] saiba mais Aula de Afro Zuumba 04/07 a 14/12 Cursos A dança é uma forma de expressar sentimentos e gerar boa energia. Afro Zuumba é um combinação de dança afro, dança afro contemporânea, danças latinas (salsa, merengue, bachata). As aulas de Afro Zuumba trazem alegria, ritmo e energia ao cotidiano das pessoas.  Dança, Cultura, Informação, Alegria, Diversão, num só lugar, no coração da Barra. Fácil acesso através do Terminal Alvorada com fartura de ônibus e BRT para toda cidade do Rio.   Sobre o professor Yemi: Prof Yemi, da African Pride Company é nigeriano e tem trabalho com afrozuumba há 3 anos na cidade do Rio. Com vasta experiência em exercícios aeróbicos, ritmos afro, hip hop, ritmos afro latinos como salsa e merengue. Também é diretor dança profissional, diretor de arte e produtor de eventos. Para ele a dança é o elixir da vida, capaz de curar fisicamente e emocionalmente as pessoas, proporcionando bem estar para todas as idades. Inscrições:  Presencial - no dia/horário das aulas ou por e-mail: orgulhodaafrica@gmail.com Formas de pagamento: Depósito bancário ou presencial - nos dias/horário das aulas  Informações:     Lilian 966-332-738 Rosana 975-776-405 e-mail: orgulhodaafrica@gmail.com   [+] saiba mais Meditação e Deeksha 19/07 a 14/12 Cursos PROGRAMAÇÃO GRATUITA  CLASSIFICAÇÃO: LIVRE    MEDITAÇÃO DEEKSHA Está corrido o seu dia? Tem coisas demais acontecendo e não dá conta? A mente não lhe dá descanso!  Até mesmo quando está fazendo algo que gosta muito você fica pensando no que tem que fazer amanhã... na chateação que teve no mês passado... ou fica com medo que acabe logo, e tão logo acaba, vem o sentimento que não desfrutou aquele momento prazeroso como devia?   Temos vivido uma vida dentro da mente, um desgastante dreno de energia. Muitas vezes vivendo um sentimento de vazio, se questionando se há um sentido maior para a vida.   Como posso estar mais presente e desfrutar da vida?   A MEDITAÇÃO é um instrumento poderoso de encontro com nós mesmos! É uma experiência de conexão com o Verdadeiro EU, o EU Superior, o EU Divino, a Energia Cósmica, Energia Criadora - o nome que quisermos dar, mas principalmente uma experiência de CONEXÃO, de PERTENCIMENTO! Pertencimento a algo maior que vai além da mente. Não passa pela cognição, é uma EXPERIÊNCIA!   Vamos meditar?    Meditação com Deeksha   Muitas pessoas têm ideias errôneas sobre meditação. Pensam que é uma atividade monótona, que para meditar elas precisam ficar paradas sem se mover.  Meditar é extremamente prazeroso e não tem nada de monótono e alguns tipos de meditação podem ser bem ativas onde as pessoas se movem, pulam, dançam, cantam.   Quem acha que nunca conseguirá meditar precisa experimentar a meditação com a Deeksha. Quem já tem a meditação incorporada na sua rotina irá alcançar estados de meditação mais profundos e perceber que a transformação e os benefícios da meditação se aceleram e se tornam definitivos.    A Deeksha é uma energia inteligente e sutil transmitida por um doador através de um toque suave no Chakra coronário (topo da cabeça).  Ela leva a pessoa a vivenciar o estado de meditação imediata e para isso basta a pessoa se disponibilizar a participar de encontros como esse que teremos todas as Quartas aqui na Cidade das Artes.   Explicando de forma mais técnica a Deeksha: Age progressivamente remodelando e reequilibrando a atividade neuroendócrina - elevando os níveis de ocitocina e serotonina (hormônios do bem estar) e diminuindo os níveis do cortisol e outros neurotransmissores do Stress crônico. Cria novas sinapses no cérebro levando a mudança na percepção dos fatos da vida, nas emoções e no agir. Eleva o Nível de Consciência permitindo VIVER de forma plena e descobrir o extraordinário no cotidiano da vida.   Benefícios: Saúde física, emocional e espiritual Redução da ansiedade Experiência de bem estar, prazer e alegria  PAZ interior  Clareza mental e objetividade Aumento da concentração; Autoconhecimento Harmonia nos relacionamentos Conexão com o EU SUPERIOR / EU Divino (sua verdadeira essência) Expansão de consciência   Público Alvo: Esse é um encontro para todas as pessoas, de todas as idades, sem restrições.   Depoimentos: "Estava com uma dor muito forte no braço direito desde cedo na quarta-feira e quando vim aqui na quarta-feira pela primeira vez e me deitei no colchonete para relaxar, a dor foi embora. Tive uma visão de um lugar maravilhoso que frequento há dois anos, mas nunca admirei verdadeiramente, estava fechada para ver as belezas que este lugar nos proporciona e quando estava deitada aqui no colchonete, consegui vislumbrar toda a beleza deste lugar que antes eu não sentia. O que eu tenho a dizer é que, os problemas continuam, as dificuldades do dia a dia estão ali, mas a maneira de vê-los, de encará-los mudou. E a alegria que eu sentia somente por motivos externos, deu lugar a uma alegria genuína, sem motivos aparentes." Rita B.   "Olá, meu nome é Aline e quero compartilhar o benefício da meditação com Deeksha: Depois que comecei a participar dessa meditação senti melhora no meu sono e na minha intuição. Pude me proteger de um acidente de carro ocasionado por um pneu furado. Sinto minha conexão com Deus cada dia mais forte. Senti uma gratidão no meu coração que eu nunca havia sentido e uma felicidade imensa por estar participando dessa meditação. Já levei meu irmão e uma amiga e eles também estão amando. Pude perceber melhora na minha saúde física, mental, emocional e espiritual. As coisas a minha volta se tornaram mais belas. O sol ganhou novo brilho e minha vida volta a fazer sentido." Aline C.   "Olá, meu nome é Marcia, sou médica, faço Ginecologia e Obstetrícia e Medicina Ortomolecular. Faço psicoterapia há mais de 15 anos, sou apaixonada pela área de autoconhecimento e de prevenção, tento usar isso no meu dia a dia a meu favor e de meus pacientes, tentando entender a integração e cura da mente/doenças. Há algum tempo percebi uma limitação na minha progressão emocional e profissional. Algo me incomodava, mas não conseguia acessar de completo.  Percebi que estava no afeto, e provavelmente na infância. E daí não saia. Isso me causou muita angústia e cobrança em resolver. Tomei conhecimento e não tinha noção por onde começar. A terapeuta dizia que eu tinha muita resistência a chegar no problema. Até que conheci a meditação e a Deeksha há exatamente 30 dias. Na primeira vez não me permiti relaxar. Continuava na agitação e preocupada com tanta coisa a fazer ao sair dali. Na segunda vez senti uma paz, que só havia sentido uma única vez, que foi durante um seminário com Divaldo Franco. Uma sensação de ter me conectado a algo que já conhecia!? A angústia de ter que resolver minhas questões, acabou, e me invadiu uma tranquilidade para aceitar minhas limitações, carências, raiva, medo, tristeza. No dia seguinte parecia que estava em "pós-operatório"...eu me movimentava devagar com medo de perder esse estado de bem estar; tentava estar consciente e conectada com essa energia que eu tinha entrado em contato. Desse dia em diante, não esqueci mais desse caminho para conexão, que de alguma forma, encontrei (difícil explicar essa sensação). Isso mudou completamente meu dia a dia, porque a calma me invadiu. ...  Em 30 dias, o salto de consciência, renovação, bem estar, conexão são impressionantes. Minha casa está calma. Todos estão calmos. É muita mudança. Nenhum medicamento, psicoterapia, passe, estudo, curso, mesmo que aliados, conseguiram me proporcionar isso. Vou agradecer eternamente a Marcia que me mostrou esse caminho, a Maria por sempre nos brindar com seus ensinamentos e ver com tamanha simplicidade e aceitação, as mazelas de cada um, nos ensinando a não ter medo de olhar para dentro, e aos Deeksha givers (doadores da Deeksha)." Marcia P.   "Gostaria de dar o meu depoimento em relação a Deeksha. Simplesmente mudou a minha vida, eu fui convidado por meu amigo Mario Mesquita para conhecer e receber a Deeksha, estava num momento muito complicado, tudo era problema, nervoso, mau humorado, pressão alta entre outros problemas causados pelo stress do momento em que o país se encontra. Fui a Barra e conheci a Maria, recebi a Deeksha e simplesmente, fiquei chocado com o momento de conforto que fiquei, a ponto de não saber explicar. Fui para casa e fiquei 3 dias nesse conforto e contando as horas para chegar logo a próxima quarta-feira, ..."  Gustavo Albuquerque   O que trazer: - Um tapete de yoga para sentar e deitar em Shavasana (relaxamento)  - Água para seu consumo - Um agasalho ou echarpe para se proteger do vento e frio.   Dúvidas e maiores informações: www.despertario.com.br  [+] saiba mais O’TABLADO | Curso de Improvisação Teatral 01/08 a 13/12 Cursos O’TABLADO Curso de Improvisação Teatral – Iniciou em Agosto   O curso de improvisação do Tablado segue o método desenvolvido pelo francês Charles Dullin e aperfeiçoado por Maria Clara Machado.   "Despertar no aluno a NECESSIDADE de uma atitude criadora é a grande tarefa do professor, é chamar a atenção do aluno sobre sua capacidade de inventar e de transformar."                                                                                                            MARIA CLARA MACHADO   TURMAS: 2º Feira  18h30 às 20h15  - 10 a 13 anos  Professora Viviana Rocha    4º Feira  16h às 17h45 - 14 a 17 anos  Professora Andreia Fernandes    4º Feira  18h às 19h45 - acima de 18 anos Professora Lionel Fisher e Julia Stockler   INFORMAÇÕES: (21) 2294-7847 / 2259-7857 (de segunda à quinta, de 14h30 às 20h e sexta, de14h30 às 18h30) ou pelos emails: secretaria@otablado.com.br e curso@otablado.com.br ENDEREÇO:  Avenida das Américas, 5300 – Barra da Tijuca.     [+] saiba mais Túnel | Tomás Ribas 06/08 a 31/12 Artes Visuais Venha conhecer a Obra "Túnel - 2013" de Tomás Ribas. Esse trabalho foi feito inicialmente para a Galeria Maria de Lourdes Mendes de Almeida. Tomás Ribas,  artista e iluminador, utiliza a luz como matéria de trabalho criando instalações que exploram a percepção do mundo através da visão. Participou de exposições no Brasil, França, Holanda, Suécia, República Tcheca e Coréia do Sul. Como iluminador ganhou alguns dos principais prêmios do teatro Brasileiro como o Prêmio Shell, o Prêmio Cesgranrio e o Prêmio Questão de Crítica.  Obra Permanente   Informações : 33250448 [+] saiba mais Arte Conecta | Curso de Arte 08/08 a 08/12 Cursos CURSO DE ARTES – ARTE CONECTA – HELIO RODRIGUES Iniciaremos em agosto o Curso ARTE CONECTA da ARTE AÇÃO BRASIL, práticas reflexivas desenvolvidas pelo Arte-Educador Helio Rodrigues por mais de 40 anos, que possibilita de forma lúdica, desenvolver e fortalecer as cognições formais e criativas das crianças e adolescentes.   Programação Artística As técnicas artísticas que são sugeridas podem ser em grupo, duplas ou individuais e dependem do interesse demonstrado por cada aluno. As propostas que veiculam essas atividades são pensadas a partir da observação e a consequente reflexão do professor, que sempre deve considerar o tempo e o processo evolutivo de cada um.    Desenho  > Lápis grafite e cor, nanquim, carvão, pastel oleoso e seco; Gravura  > Madeira, isopor, linóleo; Pintura  > Acrílica, guache, aquarela, têmpera de ovo; Monotipia  > Guache, talho doce; Escultura  > Argila, gesso, arame; Modelagem  > Argila, papel machê; Colagem  > Papel, tecido, sucata; Animação  > Desenho, objetos, massas, recortes, barbantes;   Programação Artístico-Pedagógica O curso possui 8 principais propósitos:    Fortalecimento do Eu individual – Desenvolver a autoestima e formação de um sujeito. O fortalecimento do EU, pode ser chamado de auto nutrição e é a base que permeia e estrutura todas as outras aquisições que se seguem no programa. Fortalecimento do Eu social – Autorreconhecimento, condição que é favorecida quando um indivíduo passa a ser reconhecido pelo outro. Ampliação dos conhecimentos através das relações sociais e o exercício do pensamento e da opinião no mundo externo a ele. Sensibilidade – Perceber e se interessar por si mesmo, pelo outro e pelo mundo. Condição que promove o respeito como um todo, além de ser fundamental para desenvolvimento criativo artístico e intelectual. Relação Temporal – Perceber e aprimorar as relações com o tempo. Reconhecimento do próprio tempo, o tempo do outro e do mundo. Favorece a localização não só no espaço físico como também no meio social. Quando um indivíduo está apropriado do tempo passa a ser capaz de pensar e projetar o próprio futuro. Capacidade de Abstração – Entrar em contato com as subjetividades que auxiliam nos processos de compreensão das metáforas, alimentam os processos cognitivos e enriquecem a linguagem verbal e artística. Observação – Promover a ampliação do olhar sobre o entorno físico e emocional, condição fundamental nos processos criativo e artístico. Criatividade – Reconhecer a própria singularidade. A criatividade fortalece e desenvolve a cognição e amplifica o poder de transformar e dar soluções. Transformação – Desenvolver a capacidade de mudar o olhar e a escuta sobre si mesmo e sobre o mundo externo. Transformar o ordinário, o comum e previsível em extraordinário. Para se ver por outros ângulos. Se assumir pertencente ao diverso. Desenvolver ações que transformem obstáculos em soluções. "Quando um indivíduo se conecta com a arte também se conecta com ele mesmo e com o mundo. Com sua característica democrática a arte absorve as diferenças e faz delas matéria prima para suas manifestações, porque é da diversidade que a arte se nutre, se desenvolve e faz surgir o extraordinário.  Uma boa educação artística na infância produz adultos competentes, mais humanos e criativos."Helio Rodrigues   Informações Adicionais Curso presencial de 1h30min por semana, durante todo o ano; Turmas de crianças e adolescentes; Esse trabalho respeita o amadurecimento e os interesses de cada aluno; por isso adotamos um número restrito de participantes por turma. As turmas são separadas por faixa etária; O curso é ministrado por arte-educadoras e supervisionado pelo arte-educador Helio Rodrigues; Também indicado para Educação Especial e Inclusiva; Equipe Coordenação e supervisão Helio Rodrigues Luciana da Silveira   Professoras Cris Queiroga Isabela da Silveira Magaly Henriques Ariedson Siqueira   Dia/Horários/idade: Terça-feira - 15h às 16h30 – 8 a 11 anos   Quarta-feira - 9h30 às 11h – 8 a 11 anos   Sexta-feira - 15hàs 16h30 – 12 a 16 anos   Valor R$ 280,00 / mês (Todo material incluído) Inscrições: Entre em contato com Luciana Silveira (21. 98111-3322). Informações: contato@arteacaobrasil.com.br  ou 3325.0448 Arte Ação Brasil: https://www.arteacaobrasil.com.br/ [+] saiba mais Aulas de Capoeira 08/08 a 14/12 Cursos  Aulas regulares de capoeira passarão a integrar o quadro de atividades fixas da Cidade das Artes. Serão todas as terças, quartas e quintas-feiras, entre 18h e 21h. A turma das 18h será formada pelo público infantil; as das 19h e das 20h, por adultos. Fundado por Beto Simas/Mestre Boneco em 1989, o GCB é reconhecido mundialmente, estando presente em mais de 40 países, como Estados Unidos, Holanda, Espanha, Egito, Alemanha etc. Além de capoeirista, Mestre Boneco é empresário e ator, e sempre buscou difundir a prática esportiva nas produções das quais participou, seja no cinema, teatro ou televisão. Nos últimos anos viveu nos Estados Unidos, onde realizou diversas atividades com o grupo, entre as quais palestras, workshops, treinamentos de atores de Hollywood, filmes, documentários e outros. “Unindo arte, movimento, som e cultura, a capoeira é um esporte de tradição que honra nossos antepassados africanos. E a missão do Capoeira Brasil é manter viva essa herança”, destaca Boneco.   Aulas regulares a partir de agosto Dias: Terças, quartas e quintas-feiras 18h - infantil 19h - adulto 20h- adulto                                                 MATRÍCULAS ABERTAS Para mais informações: (21) - 98097-0100 - 21 96448.6626 ou gcb.mboneco@gmail.com [+] saiba mais Precisamos falar sobre Shakespeare | A Tempestade 18/08 a 24/11 Arte e Educação A proposta dos Encontros é promover uma leitura aberta da obra  de William Shakespeare, conversando com outros saberes, entre eles a psicanálise. Em A Tempestade (1611), Shakespeare nos encanta com geniais metáforas: dos mecanismos de poder e da politica, das forças que operam transformações, das paixões humanas, das fronteiras tênues entre bem e mal. Entre o mundo maravilhoso de grandes viagens e ilhas misteriosas, ele descortina um mundo também cruel e dramático. Por tudo isso, Precisamos falar sobre Shakespeare. Grupo de estudo quinzenal  Coordenadora Lísia Filgueiras, psicanalista Os encontros serão realizados nos dias  18/08 |  01,15 e 29/09  |  27/10  | 10 e 24/11  - sextas-feiras       [+] saiba mais Cartas de Maria Julieta e Carlos Drummond de Andrade 09/09 a 01/10 Teatro O monólogo Cartas de Maria Julieta e Carlos Drummond de Andrade, de Sura Berditchevsky, retorna ao Rio O espetáculo fará uma breve temporada, de 9 de setembro a 1º de outubro, na Cidade das Artes As correspondências de uma vida inteira, trocadas entre um dos maiores poetas da língua portuguesa e sua filha, estarão no palco da Cidade das Artes, no monólogo Cartas de Maria Julieta e Carlos Drummond de Andrade, aos sábados, às 20h e domingos, às 19 horas, de 9 de setembro a 1º de outubro. A pesquisa de mais de um ano de Sura Berditchevsky e Pedro Drummond, em material exclusivo arquivado no gabinete do poeta, resulta em uma montagem, dirigida e encenada pela atriz, que permite descortinar ao público a troca de sentimentos que as cartas expressam no cotidiano de uma vida inteira. Fernando Philbert assina a co-direção do espetáculo. Durante os 60 minutos acompanhamos o crescimento pessoal e profissional pelo viés da intimidade da relação familiar. Carlos Drummond de Andrade em crescente produtividade e a atividade de sua filha Maria Julieta como cronista. “São cartas desse período, e o recorte que fiz é da intimidade deles. Na peça, temos poemas que ele fez para os netos e alguns momentos bem íntimos. Todo o coração apertado deles aparece explícito”, conta Sura. Desde que Maria Julieta tinha 5 anos de idade, pai e filha mantiveram uma profunda e intensa cumplicidade, expressa por meio de desenhos, cartas e bilhetes, e que prosseguiu ao longo de toda a vida. As palavras são o veículo maior da demonstração de amor entre os dois. São 5 décadas de correspondência que permitem ao espectador conhecer a fortíssima, delicada e enriquecedora relação entre o poeta e sua filha. De assuntos triviais e corriqueiros até instigantes comentários sobre artes plásticas, literatura, música, cinema e o bairro de Copacabana, onde Drummond viveu a maior parte de sua vida. Ela morreu aos 59 anos em agosto de 1987. Carlos Drummond faleceu 12 dias depois. A ideia do espetáculo veio de um encontro. A diretora Sura Berditchevsky e o neto do poeta, Pedro Drummond frequentaram O Tablado (escola de atores no Rio de Janeiro) e possuem amigos em comum. Num desses encontros casuais surgiu a ideia de montar um espetáculo com as cartas que estavam em pastas no apartamento onde o poeta vivia, em Copacabana, e no qual mora Pedro:  “Aí começamos nosso trabalho de pesquisa. Para ele, então, foi uma coisa encorajadora porque ali estava a vida dele. Eu tinha o último texto de Maria Julieta e um mar de cartas em que eu ia entrar. Eram muitas pastas, muitíssimo bem organizadas pelos dois, as dele para ela e vice-versa”, explica Sura. O espetáculo parte do último e inacabado texto de Maria Julieta, Topázio, escrito ao final de sua vida, já comprometida por um câncer. A seleção de cartas obedece à cronologia da escrita. A atriz permeia as cartas de ambos. “Eu queria que resultasse numa leitura de cartas mas, por outro lado, queria fugir de fazer personagens, então utilizo recursos em torno, como animação gráfica, a parte documental, e a trilha sonora, que conta, inclusive, com músicas que os dois escutavam”, conta a atriz.   Sobre Sura Berditchevsky Começou sua carreira teatral no Tablado, escola de atores do Rio de Janeiro, com Maria Clara Machado, onde, mais tarde, passou a lecionar. Dirigiu, escreveu, atuou e produziu diversas peças como Um Peixe Fora D`Àgua, Peter Pan e Diário de Um Adolescente Hipocondríaco, além de atuar em novelas e séries televisivas como Dancing Days,Marrom Glacê e Plumas e Paetês. Atuou, também, no cinema como em Os Sete Gatinhos, Noites do Sertão e Ajuricaba. Fundou, mais tarde, a companhia de palhaços Irmãos Flagelo e passou a dedicar-se a literatura infantil. Atualmente dirige sua própria companhia de teatro, lecionando artes cênicas para crianças e adolescentes. Outro espetáculo da diretora, o infantil Historinhas, está em cartaz no mesmo teatro durante toda a temporada.   Sobre Carlos Drummond de Andrade Nascido em 1902, em Minas Gerais, é um dos maiores poetas, contistas e cronistas da língua portuguesa. Envolvido com o modernismo, criou a publicação A Revista, com o intuito de divulgar o movimento. Alguns de seus poemas como Sentimento do Mundo, A Rosa do Povo e José constam entre diversas listas de maiores poemas do português. Recusou convites para se tornar imortal da Academia Brasileira de Letras. Foi também tradutor de autores como Balzac, Garcia Lorca e Molière.   Sobre Maria Julieta Drummond de Andrade Filha de Carlos Drummond de Andrade e Dolores Dutra de Morais, era contista e cronista. Casou-se com um argentino e mudou-se para Buenos Aires, onde teve três filhos. De 1976 a 1983 foi diretora do Centro Cultural Brasileiro de Buenos Aires. Faleceu em 5 de agosto de 1987, doze dias antes de seu pai. [+] saiba mais Historinhas 16/09 a 01/10 Teatro Sura Berditchevsky apresenta seu infantil Historinhas, na Cidade das Artes Histórias clássicas adaptadas para os dias de hoje são encenadas em uma nova temporada   A partir do dia 16 de setembro, a atriz, escritora e diretora Sura Berditchevsky inicia uma nova temporada do espetáculo infantil Historinhas, aos sábados e domingos, às 16h, na Cidade das Artes – Sala Eletroacústica. Com um elenco formado por crianças e adolescentes da Cia Sura Berditchevsky de Teatro Infantil, o espetáculo reúne histórias da literatura, contadas de forma contemporânea. No palco as crianças se misturam com projeções dos irmãos Vilarouca, enquanto são embaladas por músicas dos Beatles, executadas por estudantes de música do antigo projeto Villa Lobinhos e selecionadas e produzidas pelo diretor musical Rodrigo Belchior.   Historinhas é o primeiro trabalho da Cia. Sura Berditchevsky de Teatro Infantil e estreou em 2016, no Teatro Vannucci. No palco os jovens atores dão vida aos clássicos “Pequeno Herói da Holanda”, “A Tartaruga e a Lebre” (inspirada na fábula de Esopo), “A Boneca” (inspirada em um poema de Olavo Bilac), “A Galinha Ruiva”, “Por Favor”, “As Estrelas do Céu” e as inéditas “Alguém está vendo você” e “A filha do hoteleiro”. Enquanto as apresentações de Historinhas continuam, a Cia. Sura Berditchevsky de Teatro Infantil já ensaia um novo espetáculo com previsão de estreia no primeiro semestre de 2018.   Sura Berditchevsky _ É atriz, diretora e autora de livros infantis. Professora de teatro, desde os 19 anos, deu aula em várias escolas do Rio. Entrou para o Tablado em meados dos anos 70, quando, a convite de Maria Clara Machado ingressou no primeiro corpo docente da escola aos 22 anos, onde permanece até os dias de hoje. Durante 12 anos teve sua própria escola no Teatro Villa Lobos. Grande parte de sua carreira é dedicada à formação de atores e ao teatro para crianças, numa luta incansável para que este ofício seja respeitado e dignificado pelos órgãos públicos, classe teatral e salas de espetáculos. Colaborou significativamente para implantação de Prêmios para categoria de Teatro Infantil e Jovem assim como o reconhecimento à Música, Dança e Iluminação nas premiações, estimulando a qualidade nas encenações.   Nos palcos atuou recentemente no monólogo "Cartas de Maria Julieta e Carlos Drummond de Andrade" e dirigiu no final do ano a ópera de sucesso, "O Menino Maluquinho", no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Sura Berditchevsky foi protagonista das principais peças infantis de Maria Clara Machado, além de encenar textos de Brecht, Gorki, Pirandello, Ionesco, Tchekhov, Henrik Ibsen, Tennessee Williams, destacando-se na dramaturgia de Nelson Rodrigues no teatro e no cinema.   Os Sete Gatinhos, A Serpente, última peça do autor, Dorotéia e Valsa n.6, sua primeira direção em teatro com atuação de Claudia Jimenez.  Com “Cartas de Maria Julieta e Carlos Drummond de Andrade” percorre desde 2011, diversas cidades do país passando pela FLIP, a Itabira, cidade de origem do escritor, chegando a Lisboa e Porto, em Portugal.   Dedicou-se à literatura e dramaturgia para crianças encenando grandes espetáculos como Peter Pan, Um Peixe Fora D`Água, Diário de Um Adolescente Hipocondríaco entre outros .   Na TV, destacou-se em várias novelas como Dancin’ Days, Marron Glacê, Plumas e Paetês, Terras do Sem Fim, Barriga de Aluguel, Selva de Pedra, Santa Marta Fabril, Era uma Vez, protagonizando algumas dessas. No Cinema atuou em importantes longas como Ajuricaba de Oswaldo Caldeira, Delmiro Gouveia de Geraldo Sarno, Os Sete Gatinhos de Neville de Almeida, O Vestido de Paulo Thiago, O Cavalinho Azul de Eduardo Escorel entre incontáveis curtas metragens.  Também dirigiu e atuou seriados, programas e casos especiais da Globo.   Ficha Técnica: Historinhas Texto, Adaptação e Direção: Sura Berditchevsky Elenco: Cia Sura Berditchevsky de Teatro Infantil _ Christianne Rebello, Gabriel Puga, Luana Lang, Lucas Barbosa, Maitê Haical, Mariana Louro, Marina Louro, Matheus Barros, Paloma Far, Sofia Callou e Vitor Schei. Ilustrações e projeções: Renato Vilarouca e Ricardo Vilarouca Figurinos e adereços: Chris Chevriet, Vera Raiser, Leo Brazas Supervisão de figurinos e adereços: Pedro Sayad Direção Musical: Rodrigo Belchior com músicas executadas por jovens estudantes de música do antigo projeto Villa Lobinhos. Pesquisa: Lucia Cerrone Iluminação: Sura Berditchevsky Fotos de Cena: Guga Melgar (com ilustrações de Renato e Ricardo Vilarouca) Direção de Produção: Sura Berditchevsky Produções Artísticas Realização: Cia Sura Berditchevsky de Teatro Infantil Assessoria de Imprensa: Lu Nabuco Assessoria em Comunicação [+] saiba mais Exposições | O Muro e No Espaço Entre Nós 16/09 a 26/11 Artes Visuais DUAS INSTALAÇÕES DE HÉLIO RODRIGUES COM OS OLHARES INFANTOJUVENIS SOBRE UMA CIDADE PARTIDA ENTRARÁ EM EXIBIÇÃO NA CIDADE DAS ARTES.   Ação cultural IDENTIDADE e DIFERENÇA reúne obras de crianças e adolescentes da comunidade do Jacarezinho Em meio à violência que assola diariamente o Rio de Janeiro, duas instalações revelam como a arte pode ser (e é!) um caminho eficaz para transformar padrões. Enquanto uma expõe o olhar das crianças e adolescentes que vivem na violenta comunidade do Jacarezinho, a outra apresenta a solução das conversas entre dois grupos divididos socialmente na mesma cidade. De 16 de setembro a 26 de novembro, a Cidade das Artes será palco da ação cultural intitulada Identidade e Diferença, que reúne as mostras interativas No Espaço Entre Nós e O Muro, cujos coautores são os próprios jovens em parceria com o escultor e arte-educador Helio Rodrigues. Desde 2006, o autor desenvolve um trabalho de artes visuais com crianças e adolescentes da comunidade do Jacarezinho, considerada uma das zonas mais violentas do Rio, que estampam diariamente os noticiários. É de Helio também a ideia de reunir as duas obras em um mesmo espaço a fim de se pensar a arte como promotora da paz e de ampliar a discussão sobre a inclusão social de jovens da favela na sociedade. Acontecerão também oficinas de arte, palestras e outras atividades durante os mais de 60 dias de exposição (agenda abaixo). A ação é uma iniciativa do Instituto de Arte Educação, em parceria com a Cidade das Artes e Arte Ação Brasil. Como defende Helio Rodrigues: - A paz é parceira da tolerância, e é no conflito entre as diferenças que ela deixa de existir. Mas as diferenças também são alimentos da arte. A contribuição para a paz está diretamente ligada a dois aspectos: Identidade e Diferença! E a arte se torna fundamental, porque constrói identidades e traz o diverso para o espaço de valor.          NO ESPAÇO ENTRE NÓS: proposta inovadora e desafiadora une obras de adolescentes da favela e do asfalto Universos distantes que se encontram pela arte. A mostra é resultado dessa “improvável união” entre alunos do CEAT (Centro Educacional Anisio Teixeira), em Santa Teresa, Zona Central do Rio de Janeiro, e adolescentes da comunidade do Jacarezinho, localizada na Zona Norte. Os jovens com idade entre 12 e 15 anos foram misturados para compor as 36 mandalas expostas em movimento por meio de animação criada por Marcos Magalhães, criador do Anima Mundi, e sonorizadas em filme por Mauricio Sales, com depoimentos dos participantes. Os dois grupos não se conheciam e só se encontraram às vésperas da montagem da primeira exibição, realizada há um ano no Museu da República. Durante as oficinas, foram realizados vários trabalhos de sensibilização a fim de instigar os adolescentes a se representarem e se comunicarem de maneira subjetiva, utilizando diversas técnicas e materiais plásticos. Para a proposta final, foram fotografadas as sombras de cada um representando com seu corpo a frase “se eu fosse arte, seria....”. Depois, organizadas em mandalas e impressas em grandes papéis, com seus centros vazios. Cada aluno recebeu a imagem da mandala em que participou para trabalhar. – 'No espaço entre nós' é uma instalação otimista, porque aponta para a possibilidade de reduzir conflitos através da arte. A proposta era: 'Como você soluciona em arte o espaço vazio que existe entre nós?’ Apesar de parecer muito simples, a arte pode ligar. Na verdade, a arte salva, porque se nutre e se fortalece justamente com as diferenças - ressalta Helio.  Ao lado da instalação, também haverá uma parte interativa, em que o público poderá brincar com sombras imantadas sobre caixas de luz com cores, formas e o espaço entre elas. Os trabalhos criados serão fotografados e postados no Facebook, e o público poderá guardar e compartilhar sua criação, com a hashtag #noespacoentrenos.   O MURO: instalação fotográfica interativa exibe múltiplos registros da comunidade feitos por quem vive nela O projeto começou antes da pacificação do Jacarezinho em 2011, quando 80 meninos e meninas, de 8 a 17 anos, usaram a criatividade a fim de mostrar um novo olhar de dentro da favela. O resultado da visão dos jovens fotógrafos está na instalação interativa que dá oportunidade a qualquer visitante de enxergar a comunidade através dos olhos de quem vive fora do asfalto.   Construído em 80 blocos, “O Muro” guarda no interior os olhares das crianças (fotos), mas seus olhos estão desenhados do lado de fora, com o objetivo de humanizar ainda mais a mostra e instigar a curiosidade das pessoas de olhar através de um buraco (feito na íris) e descobrir o que há do outro lado. A principal finalidade da obra, como explica Helio Rodrigues, é desconstruir “muros” que existem na sociedade e ampliar opiniões, reduzir preconceitos e aceitar as diversidades. “O Muro” é resultado do projeto “Eu Sou”, que desde 2006 desenvolve um trabalho de artes plásticas com crianças e adolescentes do Jacarezinho. A proposta para montar a instalação era que as crianças fotografassem o lugar onde moram com o objetivo de mostrá-lo a pessoas que não o conhecem, seguindo a estética artística à qual foram apresentadas.  Antes de empunharem as câmeras e retratarem o universo de origem, os jovens participaram de oficinas de sensibilização em que foram estimulados a passar por um processo de transformação do olhar sobre aquele ambiente.  O trabalhou resultou em mais de 200 fotos, das quais oito dezenas estão expostas. Registros de flores, passarinhos e árvores se misturam a fotos que mostram crakeiros e lixo, retratando parte do cotidiano das crianças na comunidade. - Ajudamos as crianças a terem um olhar estético sobre o que já existe e a transformar em arte o que elas veem todos os dias. Mostramos ao asfalto esse novo olhar da comunidade, outros ângulos, novas perspectivas. Afinal, a arte não aceita limites. É um meio para transformar vidas. Atravessa, transgride, rompe ou, até mesmo, absorve os obstáculos e deles faz a ferramenta – conclui o artista plástico. Mais sobre o autor, artista plástico e arte-educador Hélio Rodrigues Aos 20 anos, em 1969, fez sua primeira exposição individual e iniciou sua participação no mercado de arte brasileiro. No ano seguinte fundou o Atelier de Artes Helio Rodrigues, escola de artes para crianças e adultos. Professor de artes e arte-educação em várias instituições de ensino no Brasil, é autor do projeto social “EU SOU” desenvolvido desde 2003, iniciado em Sulacap, que busca a reconstrução da identidade através da arte de crianças e jovens em situação de risco. Em 1987 iniciou sua trajetória no mercado internacional. Participou de 37 exposições individuais e 86 coletivas, salões, leilões e feiras de arte. É autor dos livros “Jogos sem Regras” e “Vertigens do Vazio”.     *A abertura será no dia 16/09 (sábado). *Palestra "Espaços Vazios" e visita guiada às exposições com Hélio Rodrigues *Local: Sala de Leitura *Horário: 17h30   *Coquetel: *Local: varanda da sala VIP  *Horário: 18h30     AGENDA / OFICINAS IDENTIDADE E DIFERENÇA LOCAL: SALA DO HÉLIO NO 4º do BACKSTAGE Dia 21/10 (sábado) 16h- Palestra para Pais e Filhos "O Olhar extraordinário" com Hélio Rodrigues e oficina de artes para Pais e Filhos com sua equipe. Dia 24/10 (terça-feira) 18h30 - Palestra "Diversidade, arte e cognição " e oficina para Educadores e interessados com Hélio Rodrigues. Dia 11/11 (sábado) 15h - Oficina de artes para Pais e Filhos   Inscrições pelo e-mail e telefone: saladeleitura.fca@gmail.com ou (021) 3325-0448.     [+] saiba mais ​Interlocuções: Psicanálise e Literatura 22/09 a 17/11 Arte e Educação ​ Interlocuções | Psicanálise e Literatura Joyce com Lacan é o que propomos para 2017   Iniciaremos com a leitura do romance de James Joyce "Um retrato do artista quando jovem" (1916). A tradução recomendada é de Bernardina da Silveira Pinheiro publicada em 2006. O escritor tornou-se célebre por sua experimentação com a linguagem. Joyce explora ao máximo a linguagem. Inventa-se artista quebrando frases, picando palavras, desmantelando falas impostas. "A literatura depois dele não pode mais ser o que foi antes.  Os encontros serão realizados nos dias  22/09  |  06 e 20/10  |   17/11 - sextas-feiras.   Grupo de estudo quinzenal  ​C​oordenadores Gilda Pitombo Mesquita e Marília Flores [+] saiba mais Concerto do Quarteto Carlos Gomes 23/09 Música Quarteto Carlos Gomes O Quarteto Carlos Gomes tem como seu principal objetivo a divulgação da Música Brasileira, Latino Americana, a Música de nosso tempo, além do amplo repertório composto para este gênero. Composto por quatro dos mais importantes músicos do cenário nacional, o quarteto realiza um constante trabalho de pesquisa junto a bibliotecas e museus sobre material nunca gravado e muitas vezes nunca executado. O quarteto é formado por Cláudio Cruz, regente da Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, vencedor de diversos prêmios, entre eles o Grammy Awards,  Adonhiran Reis, spalla da Orquestra Sinfônica da UFRJ, professor do Conservatório Brasileiro de Música, Gabriel Marin, violista da Orquestra Sinfônica da USP e por muitos anos primeira viola da Orquestra Sinfônica Brasileira, e Alceu Reis, que como primeiro violoncelo liderou as orquestras do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, a Orquestra Sinfônica Brasileira, e também foi vencedor do prêmio Grammy Awards. O conjunto vem surpreendendo o cenário musical e conquistando elogiosas críticas de seus pares. Em 2016 gravou um CD pelo Selo Sesc com os três quartetos de Alberto Nepomuceno, em 2017 gravou seu segundo CD com quartetos de Carlos Gomes, Glauco Velásquez e Alexandre Levy. Estes quartetos foram meticulosamente revisados e serão editados pela Editora da Osesp. A temporada 2016-2017 inclui participações em prestigiosos festivais no Brasil e concertos em diversas cidades do país, com a colaboração de importantes artistas como Antônio Meneses, Bruno Giuranna, Monica Salmasso entre outros.   Piazzolla - Adios Nonino https://www.youtube.com/watch?v=_OJ8Lk7qZVE     Beethoven n. 4 op. 18, 10 mov https://www.youtube.com/watch?v=zvZvfV_aPgg#t=10   Villa-Lobos - Quarteto 17, 1o mov https://www.youtube.com/watch?v=pbZlf2ON6oI     Schubert, A morte e a Donzela, 1o mov https://www.youtube.com/watch?v=k1OqmmJc6AQ   PROGRAMA:   Antonio Carlos Gomes Sonata para Cordas Allegro animato Allegro schersozo Largo Vivace- "O Burrico de Pau"   W. A. Mozart Quarteto KV 458 "A Caccia" Allegro vivace assai Menuetto Adagio Allegro assai Antonin Dvorak  Quarteto o. 96 "Americano" Allegro ma non troppo Lento Molto vivace Finale- vivace na non troppo [+] saiba mais Domingueira do Carlinhos 24/09 Festival DOMINGUEIRA DO CARLINHOS  Baile com Carlinhos de Jesus e Rio Orquestra Show A Cidade das Artes trás o Mestre da dança, Carlinhos de Jesus e seu tradicional baile em um domingo feito para todos os amantes da dança e da boa música. ​Iniciamos com um aulão e em seguida começa o baile​, que ​contará com a performance da Rio Orquestra Show e com os bailarinos da companhia do Carlinho de Jesus, ensinando e acompanhando o público para não deixar ninguém perde o ritmo. Dançar não tem segredo. A dança de salão requer, acima de tudo, muita empolgação e força de vontade. Chama o seu par e venha! E se não tiver? Venha mesmo assim que aqui não vai faltar!  Dia 24/09 a partir das 18h, na esplanada da Cidade das Artes! Quatro horas de pura dança.  Para maiores informações acesse cidadedasartes.org ou ligue para 3325-0448.   ENTRADA GRATUITA. [+] saiba mais Conversa Literária | Teatro e Literatura 27/09 Arte e Educação Convidados: Alexandre Damascena, Edmilson Santini e Mano Melo   O Teatro e a Literatura serão destaques na Conversa Literária do dia 27/09. Alexandre Damascena falará como foi produzir e dirigir uma peça teatral itinerante sobre o conto de Machado de Assis “O Caso da Vara”. A peça era encenada nas casas dos moradores de zona oeste. Uma experiência incrível que fez Damascena ser um Diretor Teatral que opta por peças adaptadas da Literatura. Edmilson Santini é cordelista e escritor e usa o teatro para fazer performances e divulgar o Cordel nos quatro cantos do país e no exterior. Mano Melo é poeta e se destaca por sua poesia falada, teatralizada, altamente visceral. Esta Conversa Literária será um verdadeiro espetáculo.   Direção da Conversa Literária: Cintia Barreto   *Escolas interessadas em participar, favor entrar em contato para agendamento pelo e-mail: saladeleitura.fca@gmail.com  ou (21) 3325.0448   [+] saiba mais Rio China Day Artes 29/09 e 30/09 Festival Cidade das Artes recebe dias 29 e 30/09 o RIOCHINADAYARTES Organizado pelo Consulado Geral da República Popular da China, Associações Culturais chinesas e Empresas Chinesas no Rio, o evento tem apoio da Fundação Cidade das Artes e da Secretária de Cultura da Prefeitura do Rio de Janeiro. Com entrada gratuita, evento terá apresentações culturais de artistas do Rio e da China, além de gastronomia, dança, teatro, música, cinema, espaço para crianças e muito mais Apresentações de artistas vindos da China, especialistas em artesanato (seda) e na fabricação de Pipas.   Os primeiros chineses que desembarcaram no Brasil vieram para a cidade do Rio de Janeiro plantar chá. Mais de 200 anos depois, os chineses do mundo inteiro e os brasileiros poderão se reunir em torno do projeto RIOCHINADAYARTES. Um dia chinês no Rio! Com muita arte e entrada gratuita. Essa é a proposta do RioChinaDayArtes, projeto inédito que desembarcará dia 29 (sexta) e 30 (sábado) de setembro (no dia 29, das 12h às 20h, e no dia 30, das 14h às 20h), na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca. Artistas da China – vindos especialmente para este evento –, além de artistas locais e muita música, gastronomia, dança, teatro, cinema... Estão no cardápio do evento. O RioChinaDayArtes terá ainda espaço para se conhecer a cultura da china, por meio de exposições, suas entidades culturais e suas empresas. Muitas oportunidades e atrações interativas.   Programação As várias atrações e horários serão divulgadas pelas redes sociais do evento: chinadayartes É curtir, divulgar e aproveitar! Aberto a todas as idades.   Chinaday O Dia Nacional da China (1º de Outubro) marca a Fundação da República Popular da China. É considerado o maior feriado do país, que vai de 1º a 7 de outubro. E transforma a China numa grande festa! As várias formas milenares da cultura chinesa podem ser vistas em celebrações por todas as cidades da China e nas mais diversas partes do mundo, com comunidades chinesas. O Rio receberá pela primeira vez este evento aberto. No Rio, a data é comemorada pelo Consulado-Geral e pelas Associações existentes. Mas sempre em eventos fechados, para convidados. Mas a partir de uma parceria inédita entre o Consulado/Associações Culturais chinesas/ Empresas Chinesas no Rio e Fundação Cidade das Artes/Secretária de Cultura da Prefeitura do Rio de Janeiro, os chineses mostrarão um pouco da sua arte para os cariocas, fluminenses e todos os brasileiros e turistas na cidade nos dia 29, das 12h às 20h, e no dia 30, das 14h às 20h, respectivamente.   Dayartes E o local não poderia ser mais estratégico: o templo das artes, a Cidade das Artes, na Barra da Tijuca. A Cidade das Artes inaugurou um novo tempo na vida cultural do Rio de Janeiro. O prédio escultural erguido a dez metros do chão, no coração da Barra da Tijuca, abriga um dos mais importantes e completos espaços para a representação das artes. Aqui, música, teatro, cinema, dança, artes plásticas, e outras manifestações artísticas brasileiras e de todos os povos, têm acolhida de excelência que transformou o lugar em um grande centro de valorização da cultura, com solo fértil para a formação de plateia. Este notável centro de artes é também um grande espaço de convivência, valendo-se dos diferentes ambientes projetados com a intenção de concentrar no mesmo lugar, teatros, cinemas, restaurante, loja, bistrô. As amplas áreas externas cobertas, ao lado do grande espelho d’água no térreo ou no primeiro andar, e mesmo as arquibancadas construídas ao longo das escadas que levam ao futuro restaurante, são atraentes locais de circulação e permanência de público, onde são realizadas performances, exposições, espetáculos abertos, bailes ou eventos para crianças. Acesso ao local via transporte público e do seu amplo estacionamento. O pleno funcionamento e a programação bem cuidada e de excelência da Cidade das Artes trouxe, em muito pouco tempo, a conquista da credibilidade como espaço de referência na cidade do Rio de Janeiro.   Serviço   RIOCHINADAYARTES Data: 29 de setembro – das 12h às 20h, 30 de setembro -- das 14h às 20h   Local: Cidade das Artes – Avenida das Américas, 5300 – Barra da Tijuca – Rio de Janeiro/RJ   ENTRADA GRATUITA!   Redes Sociais:  chinadayartes (Facebook, Twitter  e Instagram)   Mais Informações à Imprensa: Daniel Castro - (11) 95123.1000/  Eliane Bueno - (11) 99234-4911 E-mail:  chinadayartes@gmail.com [+] saiba mais Oficina | Videografismo Motion Design | Apresentação do Universo da Animação Digital 30/09 Arte e Educação “O universo da animação digital“   Você já se deu conta que a animação é uma ferramenta visual presente em todas as mídias? Elementos de design animados compõem a linguagem do cinema, TV, web, games e diversas outras mídias presentes no nosso cotidiano.   Para introduzir sobre a história e discorrer sobre conceitos básicos do Motion Design, Tiago da Marta apresentará ferramentas de animação e fará uma oficina na Cidade das Artes.    Como comunicador e atuante em motion designer, Tiago da Marta tem seu próprio estúdio, o TDM VIDEOGRAPHICS, e atende clientes como Gringo Cardia, Comitê Olímpico Brasileiro, Fundação Roberto Marinho, TV Globo entre diversos outros grandes nomes da comunicação e produção audiovisual.     Inscrições: saladeleitura.fca@gmail.com  ou para mais informações 3325-0448 Não é necessário conhecimento técnico em animação para a realização da oficina.   ENTRADA GRATUITA.  [+] saiba mais 5° Festa da Cordinha | Mestre Chiquinho e Contramestre Marmita 01/10 Festival 5° Festa da Cordinha | Mestre Chiquinho e Contramestre Marmita Festa da Cordinha é uma confraternização e integração entre os alunos da capoeira de várias escolas. Nesse dia os alunos se apresentam para serem batizados, pegar a primeira cordinha ou evoluir de faixa. Tudo isso em um clima bem descontraído e agradável.   PROGRAMA:  Das 9h às 10h - Palestra sobre capoeira infantil para professores. Local: Sala de Leitura    Das 10h às 10h10 Acolhimento das crianças; Das 10h10 às 11h30 Aulas de cultura popular Brasileira para os Pequenino com Mestre e Contramestre convidado. ​ Das 11h30 às 14h batizado, troca de cordas e encerramento. ​ Local:  Esplanada  Demandas: Kit Festa | 2 MIC Bastão  [+] saiba mais Academia Jovem Concertante 05/10 Música Academia Jovem Concertante Etapa Carioca Academia Jovem Concertante Etapa Carioca Serão 45 jovens de 6 Estados diferentes, mas com ênfase na Cidade do Rio. O programa escolhido contempla duas obras importantes do romantismo clássico: A Sinfonia no. 5 (Da Reforma) de Mendelssohn. Obra foi escrita em 1830, comissionada como parte da comemoração dos 300 anos da confissão de Augsburgo, um documento chave da confissão Luterana. Esse ano ouvimos essa obra lembrando dos 500 anos da Reforma Protestante, mas muito mais do que isso, reconhecendo Mendelssohn como grande compositor de sinfonias sendo a quinta sinfonia de fato uma das mais importantes de sua autoria.  O Concerto do Norueguês Edvard Grieg é sem dúvida uma das obras para piano e orquestra, mais populares de todos os tempos. Aqui o compositor nacionalista, pupilo da escola germanica mostra seu total conhecimento da forma, apesar de ter sido escrito aos 24 anos. Escrito em 1868, 10 anos depois de Grieg ter ouvido Clara Schumann, ele foi curiosamente escrito na mesma tonalidade do único concerto de Schumann, lá menor. As canções folclóricas norueguesas e danças Halling estão presentes e imprimem a identidade norueguesa me obra puramente romântica.    Esse programa é bem direcionado ao público que está começando a ir a concertos.  [+] saiba mais O Tempo é Só Uma Questão de Cor 06/10 a 12/11 Teatro O tempo é só uma questão de cor O espetáculo “O tempo é só uma questão de cor” apresenta ao público contos, crônicas e fragmentos de textos diversos de Caio Fernando Abreu. As histórias e situações levadas para cena abordam temas como o amor, as dificuldades dos relacionamentos afetivos em suas diversas formas, a falta de comunicação entre as pessoas e a solidão do homem contemporâneo. Textos que traduzem com emoção, humor e reflexão o universo do escritor que foi e ainda é um dos autores mais apreciado e consumido, não só através de seus livros como também através de sites e blogs que habitam o mundo virtual, principalmente das novas gerações que “descobriram” a prosa, o pensamento e a crítica de Caio Fernando Abreu, com o qual se identificam totalmente. A pesquisa, seleção dos textos e dramaturgia final foi realizada pelo diretor do espetáculo Antonio Gilberto, que com a parceria de Mauricio Silveira, mergulhou no universo de Caio trazendo para o público temas e situações de uma literatura viva, emocionante , instigante, atual, que nos convida a uma reflexão sobre a nossa existência nesses difíceis tempos que vivemos. Mas Caio nos lembra que o “tempo é só uma questão de cor” e que na vida, que precisa ser vivida, tudo passa... Com este trabalho o diretor Antonio Gilberto dá continuidade a sua pesquisa trazendo novamente para a cena textos literários (sem adaptação teatral) que são apresentados ao público, através da atuação de um único ator, como narrativas (realizadas por um “narrador” ou por um “personagem”) e também como dramatizações (de situações e conflitos criados pelos personagens). Os textos reunidos são de obras distintas e independentes, mas a partir da dramaturgia realizada, da concepção do espetáculo e da atuação de Maurício Silveira, podemos supor que formam uma única história. História que termina com um diálogo do ator/narrador/personagem com os espectadores.   O Autor Caio Fernando Abreu (Santiago do Boqueirão, RS, 1948 - Porto Alegre, RS, 1996). Contista, romancista, dramaturgo, jornalista. Muda-se para Porto Alegre, em 1963. Publica seu primeiro conto,O Príncipe Sapo, na revista Cláudia, em 1963. A partir de 1964 cursa Letras e Arte Dramática na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mas abandona ambos os cursos para dedicar-se ao jornalismo. Transfere-se para São Paulo em 1968, após ser selecionado, em concurso nacional, para compor a primeira redação da revista Veja. Seu talento de escritor foi logo reconhecido com o prêmio da União Brasileira de Escritores a seu primeiro livro de contos, Inventário do ir-remediável (1970). Na década de 70 morou no Rio de Janeiro, em Estocolmo e em Londres. Voltou a São Paulo em 1981, onde atuou como jornalista, escritor e editor de livros. Escreveu as seguintes obras: Inventário do Irremediável (1970), O Limite Branco (1971), O Ovo Apunhalado (1975), Pedras de Calcutá (1977), Morangos Mofados (1982), Triângulo das Águas (1983), As Frangas (1988), Os Dragões não conhecem o Paraíso (1988), Onde andará Dulce Veiga (1990), Ovelhas Negras (1995) e Pequenas Epifanias (1996). Por seu trabalho literário, recebeu os prêmios Fernando Chinaglia (1970), Status (1980), Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro (em 1984 e 1989), e seus textos foram traduzidos para diversas línguas.   O Diretor Antonio Gilberto, diretor, pesquisador e produtor teatral, formou-se em Artes Cências/Direção Teatral na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e em Psicologia na PUC/RS. Estreou profissionalmente em 1984 , na cidade do Rio de Janeiro, como Assistente de Direção de Domingos Oliveira no espetáculo "Irresistível Aventura", produzido e protagonizado pela atriz Dina Sfat. Realizou a produção executiva da excursão nacional dos espetáculos "Irresistível Aventura", "De Braços Abertos", "Meno Male!", "Uma Relação Tão Delicada", “Desejo”, "Apareceu a Margarida" e "A Dama do Cerrado". Idealizou e foi curador de vários Ciclos de Leituras e Simpósios nacionais e internacionais sobre a vida e a obra de autores como Goethe, Schiller, Gogol, Dostoiévski, Tolstói e Nelson Rodrigues. Dos espetáculos que dirigiu destacam-se: "Cabaret Valentin", "Como Se Fosse a Chuva" (Prêmio IBEU de Melhor Diretor de 1997), "Credores", "Werther", "Um Brinde Ao Teatro" (espetáculo que inaugurou a Caixa Cultural no RJ), "Federico García Lorca - Pequeno Poema Infinito", "Contando Machado de Assis", "Maria Stuart", "A Esposa e a Noiva" e “Carta ao Pai” (Apresentado em 2015 no FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica na cidade do Porto/Portugal). Publicou pela Coleção Aplauso/Imprensa Oficial/SP, as fotobiografias "Dina Sfat- Retratos de uma guerreira", Ítalo Rossi, Isso é Tudo" e "Ziembinski, Mestre do Palco", e o roteiro teatral "Federico García Lorca - Pequeno Poema Infinito", em parceria com José Mauro Brant. Como gestor cultural foi diretor do Centro de Artes Cênicas da Funarte/MinC no período de 2003 a 2006 e 2011 a 2014.   O Ator Mauricio Silveira, nascido na cidade do Rio de Janeiro, em 1977, formado pela Faculdade de Publicidade e propaganda UNAERP (Universidade de Ribeirão Preto) e como ator pela CAL (Casa das Artes de Laranjeiras). No teatro participou dos seguintes trabalhos: Os Meninos da Rua Paulo (2001/ (Texto: Ferenc Molnár /Dir.: Francis Mayer) Sinfonia Metástase (2000 Texto e Direção: Roberto Alvim Cabral, que Cara de Pau! (2004/Teatro infantil/Texto: Gedivan de Alburquerque/Direção: Nico Theron) Sonho de uma noite de São João (2009/Texto e Direção: Anderson Cunha) Maria Stuart (2009/ Texto: Friedrich Schiller. Direção: Antonio Gilberto) Pulando a Cerca (2013/2015 Texto: Maurício Silveira/ Dir.Bemvindo Sequeira) Senhorita Julia e a despedida de si mesma (2014/ Texto: Beto Bellini Direção: Heitor Saraiva e Beto Bellini) Na Televisão participa na TV Globo das seguintes novelas: Paraíso Tropical (2007/Nov. de Gilberto Braga e Ricardo Linhares) Sete Pecados (2007/08/ Novela de Walcyr Carrasco) Insensato Coração ( 2011/Novela de Gilberto Braga e Ricardo Linhares) Trabalha também em outras emissoras: Preamar (HBO 2012/série) Os Mutantes: Caminhos do Coração (TV Record/2009/Nov.Tiago Santiago) Balacobaco (TV Record 2012/13/Novela de Gisele Joras) No cinema participa dos filmes: Vereda Tropical (Argentina/Brasil, 2004/Direção: Javier Torre) Bem Casados (2014/Direção: Aluizio Abranches), Solteira Quase Surtando (2016/Direção: Caco Souza) Memórias da Maré (2015/curta metragem/Roteiro e direção: Thais Drassinower) Participou como ator de várias campanhas publicitárias onde destacam-se os comerciais para Banco Itaú, Cerveja Antártica, Chevrolet, LG, Vivo, Brasas, Banco Bradesco, Brahma e Barra Shopping     Direção de Produção Bárbara Montes Claros 2017.2 – Produtora do espetáculo Passional e O tempo é só uma questão de cor. 2017- Produtora Executiva da IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro, do Espetáculo Ivanov e do espetáculo A Guerra Não tem Rosto de Mulher. 2016- Produtora Executiva do espetáculo “Entre Corvos”. 2015 - Assistente de produção na V Semana do Patrimônio Fluminense, em Quissamã, produtora executiva da Mostra de Teatro Panorama Petrobras Distribuidora de Cultura Rio de Janeiro e Campinas, de março a julho e da Ocupação do Teatro Dulcina "Dulcina em Foco", de agosto a setembro.Produtora Executiva do espetáculo “Closer”. 2014 –Assistente de produção do espetáculo "A Estufa", de Harold Pinter, com direção de Ary Coslov. 2013- Produtora Executiva da Mostra de Teatro Panorama Petrobras Distribuidora de Cultura.,São Paulo - Novembro a Março. Produtora Executiva do espetáculo “Fish & Chips ou o que eu vim fazer aqui?”, 2013– Produtora Executiva na Ocupação do Teatro Dulcina de abril a novembro. Produtora Executiva da Mostra de Teatro Panorama Petrobras Distribuidora de Cultura. Rio de Janeiro. 2012 – Trabalhou como assistente de produção do espetáculo “Pinteresco”, direção Ary Coslov, assistente de produção do espetáculo português “Dona Maria a louca”, assistente de produção do Espetáculo “Eu é um Outro”, assistente de produção do espetáculo “A Carpa”, estagiária de direção da peça "Adeus À Carne", direção Michel Melamed 2011/2- Trabalhou na produção da temporada do Rio de Janeiro da companhia Théâtre Du Soleil no espetáculo "Naúfragos da Louca Esperança" com direção de Ariane Mnouchkine. [+] saiba mais Rio Art Orquestra 07/10 Música RIO ART ORQUESTRA (RAO) APRESENTA ‘SALF DREAMING’ DIA 7 de OUTUBRO, NA CIDADE DAS ARTES TEATRO DE CÂMARA Orquestra experimental multiartes reúne alguns dos melhores músicos do país em uma aventura sonora entre o sublime e o ridículo. O repertório próprio faz junção inusitada de instrumentos de corda orquestrais, jazz global e música afro-brasileira / afro-diáspora. Apresentações são oportunidades de ouvir composições, instrumentação e sonoridade únicas.   Rio Art Orquestra   Regência - Mike Ryan (Austrália) Piano - Cliff Korman (EUA) Flauta - Peter O'Neill (EUA) Voz – Alma Thomas (EUA) Voz - Beth Dau (Brasil) Clarinete, clarone, flauta em sol - Levi Chaves (Brasil) Violino 1 - Nikolay Sapoundjiev (Bulgária) - Orquestra Sinfônica Brasileira Violino 2 - Willian Isaac (Brasil) Orquestra Sinfónica Brasileira Viola – Bernardo Fantini (Brasil) Violoncelo – Daniel Silva (Brasil) Orquestra Sinfônica Nacional da UFF Baixo acústico – João Rafael (Brasil) Orquestra Sinfônica Brasileira Percussão -  Yann Vathelet (França)       Bateria – Andre Fróes (Brasil)   Convidados Saxofone - Jean-Pierre Zanella (Canadá) Dança – Fernanda Dalveira (Brasil)   SALF DREAMING Alguns dos melhores músicos em atuação no Brasil formam uma orquestra experimental em busca de novas sonoridades e expressões multiartes com base na interação entre o jazz, a música clássica e movimentos corporais. Essa é a base do conceito e repertório de “SALF DREAMING” que a Rio Art Orquestra (RAO) interpretará no dia 7 de outubro de 2017, no Rio de Janeiro. Em 2002, Almir Chediak, o ilustre fundador do SongBook do MPB (Lumiar Editora, Rio de Janeiro) publicou o livro do Mike Ryan "Samba: Brasil World Music" no qual apresenta seus 27 anos de pesquisa que resultaram no método de ritmo SALF: Samba, Afro Latino e Funk. Apresentando a continuação show “SALF DREAMING” com um novo repertório, a orquestra incorpora derivações de SALF, música de câmara, ritmos afro-brasileiros e da afro-diáspora global, jazz, third stream, música popular/folclórica do Brasil e world music. O desafio é combinar conceitos do SALF e estruturas musicais não lineares entre o “sublime e o ridículo”, explica Ryan, uma expressão clássica na estética de arte, que dirige as composições musicais e multiartes do Mike desde 1975. Nesta versão de “SALF DREAMING”, o talentoso time de instrumentistas dá vida às composições do maestro e idealizador, como “Coletando Nuvens!", “Simply Complicado” e “Yes, But What Do You Do For a Living? ”, sempre com muita improvisação, uma das características da orquestra. O resultado são composições, instrumentação e sonoridade únicas e ainda sem classificação.  A apresentação do Show SALF DREAMING conta ainda com a participação pela segunda vez do saxofonista, compositor e arranjador canadense, Jean-Pierre Zanella, uma figura importante na cena musical de Quebec, é um artista de jazz internacional que trabalhou com nomes como, Red Mitchell, Gino Vanelli e Frank Sinatra Jr.   SALF DREAMING MULTIARTES Alma Thomas e sua máscara. A palavra máscara deriva da palavra latina personagem que significa personalidade. O estudo da personalidade pode ser entendido como o estudo de máscaras que as pessoas usam. Estes são os personagens que as pessoas projetam e exibem externamente, mas também incluem as partes internas da experiência psicológica que chamamos coletivamente de nós mesmos. A composição, Simply Complicado, conta o amor profundo e lúdico entre The Planet King e uma extraterrestre, cuja cabeça gira com prazer sublime quando é provocada por questões - e um ser terráqueo, cujas expressões faciais provocadoras e questionadoras (projetadas através da máscara tradicional de Teatro Kabuki japonês) reúnem o amor entre os dois e transcende as diferenças planetárias. A dançarina Fernanda Dalveira atua como mediadora para ajudar a resolver os desafios (se existem) da comunicação.     SOBRE A RAO A Rio Art Orquestra (RAO) é uma experiência de renomados músicos brasileiros e internacionais, iniciada em 2014, sob o nome de TribOz-Rio World Jazz Orquestra (TRWJO), no TribOz - Centro Cultural Brasil-Austrália. A iniciativa é de Mike Ryan, compositor, trompetista e etnomusicólogo australiano, envolvido com a cultura e a música brasileiras por 43 anos. O trabalho da orquestra provém das experimentações de jazz mundial com influências brasileiras, iniciadas por Ryan, na Austrália, em 1977, no Sydney Conservatorium of Music, na Universidade de Sydney. A primeira apresentação da orquestra, ainda com o nome TribOz-Rio World Jazz Orquestra (TRWJO), ocorreu em 2014. O repertório misturava ritmos do SALF (Samba, Afro Latino e Funk, método criado por Ryan) e jazz global, com conceitos não cronológicos/não lineares de tempo animista, como encontrados em culturas indígenas tradicionais australianas. O novo repertório da orquestra, criado em 2016, “Do Sublime ao Ridículo”, combina conceitos do SALF e estruturas não lineares com a natureza filosoficamente ambígua do entrelace entre os termos "sublime" e "ridículo". O resultado são composições, instrumentação e sonoridade únicas e inusitadas.  A RAO é uma experiência musical multicultural, multiétnica.  A orquestra reúne 13 músicos de países, formações e caminhos contrastantes, do erudito ao free jazz, da Austrália ao Brasil, passando pela Bulgária, França e EUA, sendo quatro integrantes da Orquestra Sinfônica Brasileira e um da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal Fluminense. A formação propõe uma experiência musical inédita.   SOBRE MIKE RYAN Mike Ryan é um etnomusicólogo australiano e brasilianista que atua desde 1964 como músico e experimentalista (trompetista, especialista, maestro e compositor). PhD em Etnomusicologia pela University of Sydney, Austrália, reside entre Brasil e Austrália desde 1996. Seu envolvimento com a cultura e a música brasileiras resulta na tese de doutorado "Brazilian Music in Sydney 1971-1984"; na apresentação de inúmeras palestras e workshops no Brasil e no mundo, desde 1978; e na publicação do livro mencionado anteriormente "Samba: Brasil World Music" (o Método SALF editado por Almir Chediak, Lumiar Editora, RJ, 2002.  Em 2008, fundou o TribOz, que se tornou o principal clube de jazz do Rio de Janeiro e do Brasil, berço da RAO.   Página da RAO: https://www.facebook.com/RioArtOrquestra/ [+] saiba mais Balão Mágico Sinfônico 07/10 e 08/10 Música Orquestra Petrobras Sinfônica celebra o Dia das Crianças com “Balão Mágico Sinfônico”, versão do sucesso dos anos 80   Depois de lotar quatro sessões de “A Arca de Noé” em 2015 e repetir o sucesso em 2016 com “Os Saltimbancos Sinfônico”, a Orquestra Petrobras Sinfônica prepara uma nova homenagem ao Dia das Crianças. Este ano, o projeto “Em Família” terá uma versão sinfônica inédita para as canções do Balão Mágico, clássico programa de TV exibido pela Rede Globo nos anos 80. Os discos com os sucessos do Balão Mágico venderam mais de 10 milhões de cópias no Brasil. Sob regência do maestro Felipe Prazeres, 47 músicos do grupo irão se apresentar na Cidade das Artes, nos dias 7 e 8 de outubro, e no Teatro Riachuelo nos dias 14 e 15 de outubro... Esta será a primeira vez que músicas como “Superfantástico” e “Amigos do Peito”, que ficaram famosos nas vozes de Simony e Jairzinho, ganharão arranjos sinfônicos, compostos pelo paraibano Mateus Freire, que também trabalhou com a orquestra nas iniciativas anteriores. O projeto é uma das ações da Petrobras Sinfônica que buscam popularizar a música clássica e renovar o público do gênero.   Sobre a Orquestra Petrobras Sinfônica  Aos 45 anos, a Orquestra Petrobras Sinfônica se consolida como uma das mais conceituadas do país e ocupa um lugar de prestígio entre os maiores conjuntos musicais da América Latina. Criada pelo maestro Armando Prazeres, a orquestra conta com uma formação de mais de 80 instrumentistas e tem como Diretor Artístico e Regente Titular o maestro Isaac Karabtchevsky, o mais respeitado regente brasileiro e um nome consagrado no panorama internacional.   Modelo de gestão: A Associação Orquestra Pró Música do Rio de Janeiro, entidade que administra a orquestra, possui uma proposta administrativa inovadora, sendo a única orquestra sinfônica do país gerida por seus próprios músicos.   Sobre a PETROBRAS: A Petrobras patrocina a Orquestra Petrobras Sinfônica há 30 anos. Através do Petrobras Cultural, a companhia busca contribuir para o fortalecimento das oportunidades de criação, produção, difusão e fruição da cultura brasileira, para a ampliação do acesso dos cidadãos aos bens culturais e para a formação de novas plateias.   Outros apoios e patrocínios: Avianca, UCI, Consulado da Argentina, Metrô Rio, Porto Bay Hotels, Hope Serviços, Aliansce Shopping Centers, Rádio MEC FM e JLT Brasil.     Programa   Felipe Prazeres, regente Orquestra Petrobras Sinfônica   Ignacio Ballesteros Diaz e Marella Cayre Superfantástico (Abertura Instrumental)   Erik Vonn e Memo Mendez Gulu Amigos do Peito (versão em português: Edgard Poças)   Alberto Ribeiro da Vinha e Carlos Alberto Ferreira Braga Tem Gato na Tuba   Alfonso Jofre de Villegas Cernuda e Genaro Monreal Lacosta A Galinha Magricela (versão em português: Edgard Poças)   Tony Landa, Tony Cruz, D.a Afonso Agullo e Eddy Guenin Ursinho Pimpão (versão em português: Edgard Poças)   Werner Thomaz e Louis Julien van Rijmenant Baile dos Passarinhos (versão em português: Edgard Poças)   Emilio Aragon Bermudez e Emilio Tomaz Aragon Alvares Ai Meu Nariz (versão em português: Edgard Poças)   Harriet Schock e Misha Segal Meninos e Meninas (versão em português: Edgard Poças)   Baltazar Fernando Candido da Silva e Hermes Adriano de Jesus Coração De Papelão   Guilherme Arantes Lindo Balão Azul   G. Gomez e R. Giron Amigo Planeta (versão em português: Edgard Poças)   Ignacio Ballesteros Diaz e Marella Cayre Superfantástico (versão em português: Edgard Poças) [+] saiba mais Lançamento do CD Harmonitango 08/10 Música HARMONITANGO - Por Sergio Roberto de Oliveira, compositor e produtor do CD Astor Piazzolla é figura múltipla, complexa e apaixonante. É um daqueles músicos difíceis de se definir: afinal, compunha tangos ou música de concerto? Sua formação e escrita inclui os dois universos de forma inegável, o que num momento de sua carreira foi negativo, tendo resistências terríveis dos tangueros tradicionais e precisando sempre se provar como compositor sério (chegou a esconder de Nádia Boulanger, quando teve aulas com ela, seu contato com o tango. Ao finalmente mostrar-lhe, ela teria dito: esse é o verdadeiro Piazzolla. Não afaste-se dele). Aliás, em relação a mestres, estudou não só com Boulanger, mas também com Ginastera, um dos maiores compositores da música de concerto argentina. Pois é justamente a tradução desse Piazzolla múltiplo e complexo que nos apaixona neste álbum do HARMONITANGO. Grupo integrados por músicos também de origens diversas – uns mais populares, outros mais eruditos – ao mesmo tempo tem em todos eles músicos experientes tanto no trabalho junto à música de concerto como à música popular. Talvez, seja exatamente por isso que possamos perceber tantas nuances. É tango, é música de câmara, tem uma abordagem popular, com improvisos e ao mesmo tempo uma profundidade seja na sonoridade, seja na interpretação que nos emociona, nos alegra, nos faz perceber essa música de Piazzolla que não acredita em fronteiras. Dos grupos que têm se debruçado sobre a obra do mestre argentino, encontrei no HARMONITANGO uma das melhores formas de expressão – com exceção dele próprio tocando, obviamente – da multidimensionalidade de sua música. E, como produtor às vésperas de completar 20 anos de ofício, tenho que confessar: é um dos raros álbuns dos que produzi que estará constantemente na minha playlist. Não importa o que você mais gosta na música de Astor Piazzolla, se sua leveza, se sua densidade, se sua dramaticidade, se seu lirismo, se a elaboração dos arranjos, a interpretação precisa ou mesmo a busca de uma sonoridade única: este álbum satisfaz a todos nós!   HARMONITANGO José Staneck, harmônica | Ricardo Santoro, violoncelo | Sheila Zagury, piano A busca por diferentes sonoridades e por novas formas de expressão: esta é a razão para a formação deste inusitado trio, formado por músicos com grande experiência camerística, como José Staneck, Ricardo Santoro e Sheila Zagury. Através da fusão de seus estilos, os músicos encontram na obra de Astor Piazzolla uma maneira de se expressar de forma emocionante e vibrante, valorizada pela riqueza tímbrica da harmônica, do violoncelo e do piano, criando uma sonoridade surpreendente dentro de uma obra fascinante. A similitude da sonoridade da harmônica com o bandoneon transfere à música de Piazzolla toda a energia de um dos mais importantes compositores do século XX, numa poderosa usina de sons valorizada pelos arranjos e pela execução do Harmonitango. Criado em 2010, o Harmonitango já se apresentou em diversas salas de concerto do Rio de Janeiro, Petrópolis, Teresópolis, Nova Friburgo, Brasília, Goiânia, Maringá, Londrina etc, sempre com grande receptividade do público e da crítica especializada, e tem como seu principal objetivo a divulgação da música de Piazzolla e também dos grandes compositores brasileiros, sempre com arranjos feitos pelos próprios músicos. Chamado de David Oïstrakh da harmônica pelo crítico francês Oliver Bellamy e comparado aos músicos Andrés Segovia e Mstislav Rostropovich por sua atuação na divulgação e construção da poética de uma harmônica brasileira pelo crítico Luiz Paulo Horta, José Staneck criou um estilo próprio onde variados elementos se fundem numa sonoridade marcante. Desenvolve importante trabalho na área do ensino, e atualmente viabiliza um trabalho social de inclusão cultural levando o ensino de música através da gaita para crianças em diversas localidades do Brasil. Atua com diferentes formações camerísticas, e já foi solista de diversas orquestras sinfônicas brasileiras e internacionais. Ricardo Santoro é Mestre pela UFRJ e violoncelista da Orquestra Sinfônica Brasileira e da Orquestra Sinfônica da UFRJ. Faz parte do Duo Santoro, do Trio Aquarius e do Trio Mignone, todos com intensa atuação no cenário musical brasileiro. Com o Trio Aquarius, participou de turnês pela Alemanha e Estados Unidos. Com o Duo Santoro, se apresentou no Carnegie Hall de NY e na República Dominicana. Gravou os CDs “Bem Brasileiro” e “Paisagens Cariocas”, com o Duo Santoro; “Trios Brasileiros” e “Peace to the city”, com o Trio Aquarius; e “Francisco Mignone: obras para flauta, violoncelo e piano”, com o Trio Mignone”. É responsável pela primeira audição mundial de alguns dos maiores compositores brasileiros, tais como Edino Krieger, João Guilherme Ripper e Ronaldo Miranda. Sheila Zagury é pianista, arranjadora e professora da UFRJ.                     Fez Bacharelado na UFRJ, Licenciatura e Mestrado na UNI-RIO e Doutorado na UNICAMP, com tese a respeito de choro nos anos 1990. Musicista de formação eclética, com passagem na música erudita e no jazz, já atuou com vários artistas e grupos de renome como Eduardo Dussek, Ângela Rorô, Rio Jazz Orchestra, UFRJazz, Daniela Spielmann, Neti Szpilman e Marianna Leporace, e em numerosos espetáculos de teatro e shows em todo o Brasil e no exterior. Desenvolve diversos trabalhos artísticos com músicos, envolvendo choro, samba e jazz, tendo participado de vários shows e gravado CDs dentro desses gêneros, como “Mulheres em Pixinguinha”, “São Bonitas as Canções”, “Brasileirinhas” e “Orquestra Lunar”.     [+] saiba mais Mercado Editorial 10/10 a 31/10 Cursos “MERCADO EDITORIAL” CIDADE DAS ARTES Coordenação: Cintia Barreto & Mônica Maia   PROGRAMA Aula 1: Mercado Editorial: como funciona?  – Mônica Maia Editora-executiva com atuação em empresas como Record, Intrínseca e Rocco, Mônica explica as engrenagens do mercado: a lógica comercial e de marketing que produz os best-sellers contemporâneos; aborda as articulações editoriais e econômicas que possibilitaram a formação dos novos consumidores de livros no Brasil; analisa a explosão das tiragens nacionais a partir dos anos 2000; o novo patamar de qualidade editorial, gráfica e mercadológica, a rentabilidade e difusão da indústria do livro nacional. Aborda a estrutura de pequenas, médias e grandes editoras; os e-books e a auto publicação; novas mídias e autores das redes sociais. Analisa o impacto da crise econômica para editoras, livrarias e profissionais do livro. Mestre em Media Studies/Centre for International Journalism Studies-University of Wales no Chevening Awards/British Council, especializada em Publishing Mangement/FGV-RJ. É professora da Pós-graduação em Edição e Gestão Editorial do NESPE - Núcleo de Estudos e Políticas Editoriais/USU.   Aula 2: Formação de catálogo – Maria Amélia Mello Como é feita a escolha de autores e livros nacionais e estrangeiros?  Maria Amélia Mello, editora de autores do porte de Ferreira Gullar e Ariano Suassuna na lendária editora José Olympio, é uma mestra no garimpo de jóias literárias e na gerência de obras de escritores consagrados. Com mais de 30 anos entre os livros, agora tem seu talento a serviço do Grupo Editorial Autêntica – marca mineira de sofisticação e arrojo editorial, que supreendeu o mercado e os leitores com diversidade e qualidade.   Aula 3: Agentes Literários – Marianna Teixeira Soares Como trabalham aqueles que vendem, defendem e zelam pelos escritores e suas obras; gerenciam seus interesses dos herdeiros de grandes autores? Como apresentar ou reposicionar o trabalho de um escritor no mercado? Fundadora e gestora da MTS Agência Literária, Marianna Teixeira Soares, com sua celebrada expertise e foco em ficção brasileira, é conhecida como “a agente dos novos autores nacionais”. Representa mais de 30 escritores e atua na venda de direitos autorais de livros para cinema, televisão e mini séries. O que faz um agente literário? Como é a relação deles com jornalistas, editores, representantes de editoras internacionais, diretores e produtores de áudio visual? Qual é a repercussão da literatura brasileira no exterior? Como é a inserção, os resultados comerciais e a divulgação de traduções de obras de autores nacionais? O livro brasileiro ‘viaja’ bem? Como um agente literário “vende” os seus autores para as editoras estrangeiras?   Aula 4: Literatura Infantil e Formação de Leitores - Cintia Barreto Cintia é Doutora em Literatura Brasileira (UFRJ), Diretora do Projeto “Conversa Literária” que acontece na Cidade das Artes. É Professora de Literatura Brasileira em Cursos de Graduação e Pós-graduação. Professora de Língua Portuguesa no Colégio Estadual André Maurois há mais de 15 anos. Ministra Cursos de Formação de Professores e tem artigos em revistas e livros especializados. É co-autora do livro Literatura infantil e juvenil na prática docente (Editora Ao Livro Técnico, 2010). Em sua aula, tratará do panorama da leitura literária no Brasil, características e qualidade em literatura infantil. A literatura para crianças e a sociedade contemporânea, o humor na literatura infantil, texto e ilustração: autores e ilustradores que estão fazendo a literatura hoje. Projetos e práticas de formação de leitores.   Aula 5: Literatura Juvenil, Terror e YA – Rosa Amanda Strausz Com obras publicadas na França, China, Chile e Portugal; dois Prêmios Jabuti e outros da FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil), Rosa Amanda tem três filhos e é um caso de autora que “vive do que escreve”, já escreveu e planeja escrever. Tem mais de 20 livros publicados e adotados em escolas públicas e particulares. Uolace e João Vitor foi adaptado pela TV Globo na série “Cidade dos Homens”, com direção de Fernando Meirelles. Sete ossos e uma maldição conquista adolescentes e jovens com suas histórias de terror de arrepiar. Além disso, Rosa faz coaching literário e também ensina adultos a lidar com imaginação & redação em suas oficinas de escrita criativa.   Aula 6: Divulgação de autores em feiras, bienais do livro, eventos literários & assessoria de comunicação – Valéria Martins  Jornalista e diretora da Oasys, empresa especializada em divulgação e agenciamento de autores, Valéria Martins trabalhou na editora Campus/Elsevier e no Grupo Editorial Record. Representa mais de 70 autores com foco em eventos literários e divulgação. José Eduardo Agualusa; Stella Maris Rezende; Guilherme Fiúza e José Castello estão entre os clientes de Valéria Martins, que também escreve e já publicou os livros Sara nada mais bonita, um relato sobre o desejo (editora Sete Letras); Matéria dos sonhos; A pausa do tempo e Encontro com Deus: 21 personalidades narram sua busca espiritual.   Outubro: Semana 1 > 10 de outubro Semana 2 > 19 e 17 de outubro Semana 3 > 24 e 26 de outubro  Semana 4 > 31 de outubro    Inscrições: Professora@cintiabarreto.com.br Telefone: 98985.6232  Informações: saladeleitura.fca@gmail.com Telefone: 3325.0448​     [+] saiba mais Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro 12/10 Música   Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro   Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro é hoje uma realização transformadora na vida de adolescentes e jovens das comunidades Babilônia, Chapéu Mangueira, Cantagalo, Pavão Pavãozinho, Complexo do Alemão e  Morro dos Macacos. Educar pela Arte da Música sensibiliza, promove uma mobilização integral das potencialidades do ser humano e exalta a liberdade do vir a ser. É nesse sentido que se pode afirmar que a Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro representa hoje uma preciosa exaltação à liberdade. O Rio de Janeiro é uma das grandes metrópoles que não tinha uma orquestra sinfônica de jovens oficial da cidade do Rio de Janeiro, hoje o  projeto supre esta lacuna. A orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro já se apresentou em diversos espaços culturais e importantes no cenário Musical, como o Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), o Centro Cultural da Justiça do Rio de Janeiro, o Centro Cultural da Caixa Econômica, a Igreja Anglicana de Botafogo, a Igreja da Nossa Senhora da Paz em Ipanema, na Candelária, no teatro de câmara da Cidade das Artes , no Theatro Municipal do Rio de Janeiro e Sala Cecilia Meireles entre outros. Com grande sucesso se apresentou 01 de Agosto do Teatro principal da Cidade das Artes , onde participou acompanhando a cantora Daniela Mercury  na Ceremonia de abertura 129 do COI.   Maestro: Mateus Araujo Diretora do projeto: Fiorella Solares [+] saiba mais Eu Não Posso Lembrar Que Te Amei 14/10 a 15/10 Teatro Release: Eu não posso lembrar que te amei – Dalva & Herivelto é um espetáculo, com Sylvia Massari e Tadeu Aguiar e texto de Artur Xexéo, sob direção de Tadeu Aguiar.  A montagem é uma celebração ao centenário de Dalva de Oliveira, nascida em Rio Claro, São Paulo, em 1917. O espetáculo usa o repertório de Dalva e Herivelto Martins para narrar a trajetória dos dois, do tempo do Trio de Ouro, nas décadas de 1930 e 40, quando eram casados, ao famoso duelo musical, no começo dos anos 1950, que marcou a carreira do casal, depois que ele se desfez.  Sylvia e Tadeu contam e cantam essa história cheia de paixão, ilustrada com alguns dos maiores sucessos da música brasileira – “Ave Maria do Morro”, “Tudo acabado”, “Errei, sim”, “Caminhemos”, “Bandeira Branca”, totalizando 24 canções, acompanhados por por Tony Lucchesi [diretor musical da encenação] / Tarantilio Costa - piano e regência [eles revezam], Thais Ferreira - violoncelo e Léo Bandeira - bateria e metalofone. Na primeira parte da peça, a do encontro dos dois, o repertório é o de sucessos do Trio de Ouro, grupo vocal que Dalva e Herivelto formaram com Nilo Chagas: “Praça Onze”, “Ave Maria do Morro”, “Segredo” e outros. Na segunda parte, a da separação, a seleção é quase toda formada pela famosa polêmica travada pelos dois: “Tudo Acabado”, “Que Será”, “”Errei Sim” e outras.   Sylvia e Tadeu Sylvia Massari e Tadeu Aguiar já representaram Dalva e Herivelto em outras ocasiões. Sylvia substituiu Marília Pêra na temporada paulista do musical "Estrela Dalva" e também deu vida à cantora nas minisséries da TV Globo Amazônia e AEIOURCA, em que Tadeu Aguiar viveu seu marido Herivelto Martins. Anos mais tarde, Sylvia e Tadeu fizeram um show em que interpretavam o casal musical. [+] saiba mais Paulo Jobim e Mario Adnet | Jobim | Orquestra e Convidados 21/10 Música Paulo Jobim e Mario Adnet lançam CD e DVD/DOC Paulo Jobim e Mario Adnet – Jobim, Orquestra e Convidados (Biscoito Fino)     Álbum é uma homenagem aos 90 anos que o maestro e compositor Antônio Carlos Jobim completaria em 2017   Canções emblemáticas de Tom Jobim são interpretadas por jovens talentos da música brasileira: Alfredo Del-Penho, Alice Caymmi, Antonia Adnet, Dora Morelenbaum, Júlia Vargas, Luiz Pié e Vicente Nucci   Filho de Paulo Jobim e neto de Tom, Daniel Jobim interpreta a canção ‘Boto’, e o violonista Yamandu Costa está à frente da orquestra em ‘Um Certo Capitão Rodrigo’   O show de lançamento está marcado para o dia 21 de outubro, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro     Em outubro, Paulo Jobim e Mario Adnet lançam o CD e DVD/DOC Paulo Jobim e Mario Adnet – Jobim, Orquestra e Convidados (Biscoito Fino) em todo o Brasil. Gravado em maio deste ano nos estúdios da gravadora e na Cidade das Artes (Sala de Ensaio), no Rio de Janeiro, o projeto presta homenagem aos 90 anos de nascimento do compositor Antônio Carlos Jobim (1927-1994). O concerto de lançamento está marcado para o dia 21 de outubro, na Cidade das Artes. As imagens e entrevistas que compõem o DVD/DOC foram captadas durante o período de gravações. Com direção musical de Adnet e Jobim, a orquestra formada exclusivamente para o projeto reuniu 35 músicos, entre base, cordas e sopros. O grupo de 22 cordas foi arregimentado pelo violinista e maestro paulista Claudio Cruz. Das 13 músicas que compõem o repertório, dez são de autoria de Tom Jobim, algumas com parceiros, e três de Paulo Jobim e Ronaldo Bastos. Paulo Jobim e Mario Adnet selecionaram dez canções emblemáticas do repertório de Tom Jobim e convidaram jovens artistas da cena musical brasileira para participarem de oito faixas: Chovendo na Roseira (participação de Luiz Pié), Chega de Saudade, com Vinicius de Moraes, (participação de Alfredo Del-Penho); Águas de Março (participação de Antonia Adnet), Olha Maria, com Chico Buarque e Vinicius de Moraes, (participação de Júlia Vargas); Falando de Amor (participação de Alice Caymmi) e Eu Te Amo, com Chico Buarque, (participações de Dora Morelenbaum e Vicente Nucci). Filho do violonista Paulo Jobim e neto de Tom, Daniel Jobim canta, além de tocar piano, a música Boto, parceria de Tom e Jararaca; e o violão de sete cordas de Yamandu Costa está em Um Certo Capitão Rodrigo. Além das oitos faixas com participações especiais, Mario Adnet interpreta Desafinado, (Tom Jobim e Newton Mendonça); e Paulo Jobim, O Amor em Paz.  As três canções compostas por Paulo que integram o repertório são: Valse, Saci e Mantiqueira Range. “Queríamos um repertório que reunisse canções mais conhecidas, como Chega de Saudade, mas também outras como Boto e Saci, uma música espetacular e pouco conhecida do Paulo Jobim e do Ronaldo Bastos. O que temos na mão é um tesouro: são quatro arranjos originais do maestro alemão Claus Ogerman que, além do Tom, ninguém usou. De certa forma também fazemos uma homenagem a ele que se foi no ano passado. São arranjos lindos que refizemos em outras bases”, conta o arranjador, compositor, violonista e produtor Mario Adnet, que chama o projeto de “um Tom para o futuro”. “Você pergunta para um jovem: conhece essa música do Tom? Ele responde: essa não conheço, essa também não, essa também não. Quer dizer, até mesmo os cantores do meio só conhecem as músicas que foram massivamente divulgadas pela mídia, mas não conhecem a fundo a obra dele”, afirma Mario. Apesar do frescor que as canções ganharam com a participação dos jovens intérpretes, a ideia não foi dar nova roupagem à obra do Tom. Pelo contrário. Para Mario, os arranjos originais são irretocáveis e o objetivo foi apenas ressaltar a beleza das músicas. “O Tom era tão perfeccionista que não adianta querer mudar. É perda de tempo. Você vai tentar trocar uma nota aqui, outra ali e nada vai ficar melhor do que o que ele escreveu”, exalta Mario.   INTÉRPRETES E FAIXAS Chovendo na Roseira (Tom Jobim) – Luiz Pié vem sendo apontado por críticos como um dos novos grandes nomes da música brasileira. Cantor de formação jazzística e autodidata em música popular, Pié tem uma voz privilegiada de timbre grave marcante e um estilo inusitado de cantar. Ele cria novas roupagens para clássicos já reconhecidos mundialmente.   Chega de Saudade (Tom Jobim e Vinicius de Moraes) – Cantor, violonista, compositor e ator, Alfredo Del-Penho é conhecido por sua voz potente e carismática. É um dos representantes da mais nova geração do samba carioca. Apaixonado pela música popular brasileira, em 2015, lançou dois discos simultâneos: o cantado, Samba Sujo, e o instrumental, Pra essa gente boa, seus primeiros trabalhos solos, com os quais foi vencedor do prêmio de melhor cantor de samba, no 27º Prêmio da Música Brasileira. Integrante da Companhia Brasileira de Movimento e Som, “Barca dos Corações Partidos”, vem atuando em diversos musicais, entre eles, Gonzagão – A lenda, Ópera do Malandro, Auê e Suassuna – O Auto do Reino do Sol.   Águas de Março (Tom Jobim) – Filha de Mario Adnet, Antonia Adnet, que acumula funções neste projeto – coprodução e assistência de direção musical junto com sua irmã Joana Adnet – fez sua primeira turnê pelo Chile em 2016, mostrando repertório autoral de seus três discos, Discreta (2010), Pra Dizer Sim (2012) e Tem + Boogie Woogie no Samba (2015). Acompanhou a cantora Roberta Sá durante sete anos como violonista e vocalista. Recentemente esteve em turnê com o musical Gota D'Água [a seco] (indicado ao Prêmio Shell 2017 - melhor música), de Chico Buarque e Paulo Pontes, como assistente de direção musical e violonista. Entre seus trabalhos como coprodutora e assistente de direção musical, destaque para Dorival Caymmi Centenário, de Dori Caymmi e Mario Adnet (indicado ao Grammy Latino 2015) e Jobim Jazz ao Vivo, de Mario Adnet (indicado ao Grammy Latino 2016). Em parceria com Mario e Joana Adnet, coproduziu os discos de Mario Adnet: Um olhar sobre Villa-Lobos (indicado ao Grammy Latino 2013), Amazônia – Na Trilha da Floresta e o premiado Vinicius & os maestros, eleito melhor álbum na categoria especial do Prêmio da Música Brasileira (2013), entre outros.   Um Certo Capitão Rodrigo (Tom Jobim e Ronaldo Bastos) – Violonista e compositor nascido em Passo Fundo, Yamandu Costa começou a estudar violão aos 7 anos de idade com o pai, Algacir Costa, líder do grupo “Os Fronteiriços”. Aos 17 anos apresentou-se pela primeira vez em São Paulo no Circuito Cultural Banco do Brasil, produzido pelo Estúdio Tom Brasil, e a partir daí passou a ser reconhecido como músico revelação do violão brasileiro. Um violonista e compositor que não se enquadra em nenhuma corrente musical, ele é uma mistura de todos os estilos e cria interpretações de rara personalidade no seu violão de 7 cordas. Nessa música feita por Tom para a minissérie O Tempo e o Vento, Yamandu é o solista da orquestra num arranjo vigoroso de Paulo Jobim.   Olha Maria (Tom Jobim, Vinicius de Moraes e Chico Buarque) – Júlia Vargas e sua potente voz, cheia de personalidade, é apontada por nomes como Milton Nascimento, Ivan Lins, Ney Matogrosso e Alceu Valença como uma das maiores promessas da música brasileira da atualidade. Acaba de lançar seu novo CD Pop Banana, pela Biscoito Fino.   Boto (Tom Jobim e Jararaca) – Filho do compositor e arranjador Paulo Jobim e neto de Tom Jobim, Daniel Jobim já gravou e se apresentou ao lado de artistas como Dorival Caymmi, João Gilberto, Caetano Veloso, Tom Jobim, Carole Bayer Sager, Donald Fagen, Chico Buarque, Gal Costa, Maria Bethânia, Lisa Ono, John Pizzarelli, Sean Lennon, Michael Sembello, Roberto Carlos, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Stevie Wonder e Sting, entre muitos outros. Atuou ao lado do pai no Quarteto Jobim Morelenbaum. Em 1995, formou o grupo The Bridge, com Vinnie Colaiuta, Michael Sembello, Paulinho da Costa, Nate Watts, Toshi Kubota e Dudu Falcão. Em 1997, a banda lançou no Japão e nos EUA o álbum homônimo The Bridge. Atualmente tem participado de gravações e turnês ao lado do guitarrista americano John Pizzarelli.   Falando de amor (Tom Jobim) – Aos 12 anos, Alice Caymmi fez sua primeira gravação profissional, Seus Olhos, incluída no álbum Desejo, da tia Nana Caymmi. Pouco tempo depois, participou com ela em uma apresentação lotada na tradicional casa de shows carioca Canecão. Em 2007, cantou na cerimônia de encerramento dos Jogos Pan-Americanos ao lado do pai, Danilo. Seu segundo álbum de estúdio, Rainha dos Raios (2014), é baseado em regravações e contém apenas duas músicas autorais, uma delas em parceria com Michael Sullivan. Em 2015, sua canção Como Vês figurou na trilha sonora da minissérie Felizes para Sempre?, exibida pela Rede Globo. Atualmente está gravando um novo projeto.     Desafinado (Tom Jobim e Newton Mendonça) – Músico consagrado, Mario Adnet se dedica a composição, pesquisa, recuperação e registro fonográfico de obras de grandes autores da música brasileira, tendo produzido cerca de 30 discos e registros antológicos. Sua carreira vem sendo reconhecida nacional e internacionalmente pela excelência de sua pesquisa e produção musical e pela importância de seus projetos para a história da música brasileira.   O Amor em Paz (Tom Jobim e Vinicius de Moraes) – Músico de extensa carreira, Paulo Jobim trabalhou com artistas renomados como Milton Nascimento, Antonio Carlos Jobim, Chico Buarque, Sarah Vaughan, Astrud Gilberto e Lisa Ono. Idealizou e produziu, com Mario Adnet, o projeto “Jobim Sinfônico”, focado em uma faceta pouco conhecida de Tom Jobim: a de compositor de peças orquestrais. É filho de Antônio Carlos Jobim.   Eu Te Amo (Tom Jobim e Chico Buarque) – Em 2016, Dora Morelenbaum cantou no projeto CEP 20000, no Teatro Municipal Sérgio Porto, composições próprias e canções da MPB que trazem referências e influências para o seu trabalho solo. Atualmente cursa a Faculdade de Arranjo MPB na Unirio – Instituto Villa-Lobos. É filha de Paula e Jacques Morelenbaum. Vicente Nucci começou a cantar nos renomados corais do Colégio São Vicente de Paulo, especialmente no coral São Vicente à Cappella. Filho do cantor e compositor Claudio Nucci, foi integrante de grupos vocais e participou de diversas gravações, entre elas, a trilha sonora do filme Não se preocupe, nada vai dar certo, de Hugo Carvana, composta por Edu Lobo. Como intérprete, participou do álbum e concerto Amazônia – Na Trilha da Floresta, de Mario Adnet. Atualmente, Nucci é estudante de arranjo em MPB na Unirio e trabalha como monitor de naipe masculino em diversos corais do Rio de Janeiro, além de integrar o grupo vocal Ourobá.   Saci (Paulo Jobim e Ronaldo Bastos) – Interpretada por Paulo Jobim, Antonia Adnet e Mario Adnet, além de um coro feminino, essa música é uma raridade do repertório. Foi gravada uma única vez, em 1980, pelo Boca Livre, com a participação de Tom Jobim no piano além do próprio Paulo Jobim na flauta.   Valse (Paulo Jobim) – Gravada por Tom Jobim no álbum Urubú, de 1976, com arranjo magistral de Claus Ogerman, essa música é um dos destaques instrumentais do projeto.   A Mantiqueira Range (Paulo Jobim e Ronaldo Bastos) – Gravada também por Tom no álbum Matita Perê, e também arranjada por Claus Ogerman, ganhou um novo arranjo feito por Mario Adnet. [+] saiba mais V Festival de Cinema | FICC 15/11 Festival   V Festival de Cinema FICC no Rio de Janeiro Cidade das Artes estenderá o tapete vermelho para as melhores produções do Cinema Cristão nacional e internacional em noite de gala, dia 15 de novembro, na Barra da Tijuca O Festival de Cinema FICC está na sua V edição. E a premiação deste ano será ainda mais glamorosa como manda todo e qualquer evento ligado à sétima arte. Com a diferença de que o tapete vermelho estendido na Grande Sala da Cidade das Artes será para todos. Pois na noite de 15 de novembro a partir das 18 horas, tanto o público inscrito como os participantes e os convidados terão passado por ele. Será uma grande festa para diretores, produtores e artistas do Cinema Cristão. Um momento muito esperado de valorização dos profissionais e descoberta de novos talentos para a indústria audiovisual. Inclusive com excelente oportunidade para os cinéfilos reconhecerem produções inspiradas em valores familiar, socioambiental e inclusão social. Artistas, jornalistas, autoridades e celebridades que atuam no meio ou contribuem para o engrandecimento cinematográfico serão convidados. E o grande público também estará presente na plateia. A entrada é franca. Basta acessar www.festivaldecinemaficc.com.br para adquirir os ingressos. Além de obter maiores informações sobre o Festival.  São textos, fotografias e vídeos que contam a história de uma “ideia que nasceu no coração de Deus”, segundo sua idealizadora Veronica Brendler. Ela é produtora e diretora da Agenda Cultural Brasil, que realiza o evento anualmente. Um trabalho minucioso e agregador que oferece curso gratuito para adolescentes carentes; apoia instituições filantrópicas; tem mostras em comunidades e igrejas; amplia o mercado de trabalho e conquistou o selo IEVA, de evento sustentável.   E quem irá anunciar os nomes dos indicados, emocionando o público ao revelar os vencedores são outras estrelas da noite de gala: Raquel Nunes, Andrea Avancini, Fernando Sampaio, Eliana Ovalle, Keff Oliveira, Marcelo Faustini, Stephannie Mello, Fran Maya, com André Segatti e Aurora Bello comandando a cerimônia de premiação.  Investidores no Cinema Cristão irão entregar as estatuetas para os melhores em cada categoria: Longa Metragem (Direção, Ator, Atriz, Roteiro, Fotografia, Direção de Arte, Figurino, Trilha / Música), Média Metragem, Curta Metragem, Documentário, Série, Animação, Clipe Musical, Filme Estrangeiro, Filme Teen, Socioambiental, Filme Evangelístico e Produção do Minuto (novidade em 2017).  Como na edição anterior, será certificada a distribuidora de filmes que mais exibe filmes nos cinemas nacionais, a TV que mais exibe filmes em sua grade e esse ano a Imprensa que mais divulga receberá o Certificado de (Destaque). Estão confirmadas as participações especiais dos cantores Thalita Pertuzatti, a Whitney Houston brasileira e Jairo Bonfim.   PROGRAMAÇÃO COM ENTRADA FRANCA. [+] saiba mais Encontro de Corais do Maestro Luiz Lima 20/11 Música Câmara Comunitária da Barra da Tijuca            Apresenta Encontro de Corais do Maestro Luiz Lima Dia 20 de novembro de 2017 Dia da Consciência Negra O Maestro Luiz Lima apresenta seus corais cantando clássico, popular, sacro e negro spiritual, em homenagem ao dia da Consciência  Negra. O Maestro Luiz Lima é formado em canto, violão e piano, regente de coral, rege vários coros no Rio de Janeiro entre eles, Câmara Comunitária da Barra da Tijuca, Clube de Regatas do Flamengo, Ramatis e outros. O espetáculo terá a presença dos corais abaixo relacionados, entrando e saindo do palco, sem interrupção, durante aproximadamente uma hora e quarenta minutos, apresentando compositores como Haendel, Verdi, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Ary Barroso entre outros  e negro spiritual. Coral da Câmara Comunitária da Barra da Tijuca Coral de Nossa Senhora de Loreto Coral do Clube de Regatas do Flamengo Coral Zaccaria Coral Júlio Chevalier Coral Encanta Rio Dois Coral Mater Nostra Coral Caminhando e Cantando do Hospital Salgado Filho Grupo Vocal Clave de Sol Coral da Sociedade Espírita Ramatis   Um total de 380 artistas que se revezarão em dois atos, [+] saiba mais Se Eu Fosse Iracema 23/11 a 26/11 Teatro SE EU FOSSE IRACEMA - Com direção de Fernando Nicolau e dramaturgia de Fernando Marques. - Monólogo interpretado por Adassa Martins leva à cena a questão indígena. Se eu fosse Iracema surgiu a partir de uma carta escrita em 2012 pelos guarani e kaiowá em que eles pediam que se decretasse sua morte em vez de tirá-los de suas terras. O fato chamou a atenção de Fernando Nicolau e Fernando Marques, que começaram uma intensa pesquisa acerca da questão indígena no Brasil. A eles juntouse a atriz Adassa Martins e os três desenvolveram o espetáculo que estreou em abril de 2016 no Sesc Tijuca, Rio de Janeiro. Desde a estreia, o espetáculo tem tido excelente repercussão junto ao público e à crítica. Foi escolhido como melhor figurino pelos Prêmios Shell, APTR e Cesgranrio no ano de 2017. Além de indicações para Adassa Martins na categoria atriz no Prêmio Shell, APTR e APCA - SP (a premiação ocorrerá em 2018) e indicação para Fernando Marques na categoria autor no Prêmio APTR. Segundo o crítico Valmir Santos, "o tripé composto de atuação, dramaturgia e direção sustenta uma teatralidade notável". A peça lança mão de materiais como trechos da Constituição de 1988, falas inspiradas em discursos de ruralistas ou do poder público, mas estrutura-se fundamentalmente em ritos e mitos de passagem ligados às várias fases da vida. “Escolhemos trabalhar o ciclo da vida: a origem do mundo, a infância, a adolescência, a fase adulta na figura da mulher e o ancião, na figura do pajé chegando ao fim do mundo”, explica o diretor. Esse ciclo, no entanto, não é colocado de forma linear e traz referências a etnias diversas. Fernando Marques ressalta que essa variedade "foi fundamental, porque não queríamos falar sobre uma ou outra etnia, mas buscamos um olhar abrangente sobre os povos originários, que são muitos e diversos". Entre as referências, estão ainda filmes como Índio cidadão?, de Rodrigo Siqueira; Belo Monte, anúncio de uma guerra e A lei da água, ambos de André D’Elia. Recém-lançado no Brasil, o livro francês A queda do céu – Palavras de um xamã yanomami, de Davi Kopenawa e Bruce Albert, também foi uma importante referência tanto para o autor quanto para o diretor. Obras de Darcy Ribeiro, Alberto Mussa, Betty Mindlin e Manuela Carneiro da Cunha também fizeram parte do processo, assim como encontros e entrevistas com estudiosos. O espetáculo não tem a intenção de levantar bandeiras, mas de trazer à reflexão um assunto de extrema importância. Adassa Martins ressalta a necessidade "de ecoar essas vozes tão caladas desde 1500. Olhamos tão pouco para os índios, e as questões permanecem as mesmas até hoje". A atriz conta ainda sobre como desenvolveu uma interlíngua: “Ouvi os pajés e diversos índios falando em documentários e percebi os fonemas mais presentes. A ideia é criar uma fusão do português com uma língua indígena”. Além da interlíngua, há ainda trechos em guarani, traduzidos pelo cineasta indígena Alberto Álvares Guarani. O figurino de Luiza Fardin, assim como o cenário de Fernando Nicolau, aposta no uso de poucos elementos, mas bastante eloquentes, criando um diálogo com a devastação da natureza, das terras indígenas e do próprio índio. A luz, assinada também por Nicolau, cria ambiências que ressaltam a diversidade de momentos e climas propostos pela dramaturgia e pela direção e que se materializam nos vários tons da atuação de Adassa Martins. A trilha sonora original de João Schmid evidencia transições importantes do espetáculo. Segundo a crítica de Lionel Fischer, "Se eu fosse Iracema fustiga de tal forma nossa adormecida consciência que, após assistir ao espetáculo, certamente todos os espectadores passarão a olhar a questão indígena com outros olhos".   [+] saiba mais