Fundação Cidade das Artes

Memoria

Memória

A Fundação Cidade das Artes é um espaço concebido para abrigar múltiplas atividades artísticas, como exposições, apresentações de dança, teatro e música. Este complexo cultural também é utilizado para palestras, oficinas, congressos, conversas com autores, lançamentos de livros e outras atividades de formação cultural e artística.

Os eventos que ocorrem neste espaço são filmados e fotografados para que todos os interessados possam ter acesso, através deste site, ao histórico de programação da Cidade das Artes e os programas das peças podem ser pesquisados na Sala de Leitura, local onde serão preservados todos os materiais impressos relacionados à programação.

Eventos Passados

Orquestra Sinfônica Brasileira | A Música Clássica no Cinema 01/10 Música OSB interpreta A Música Clássica no Cinema Programa mantém temática da Série Safira especial Música de cinema, mas com repertório alternativo devido à crise financeira da orquestra.   Sem receber salários e benefícios desde agosto, os músicos da OSB seguem firmes em suas atividades com mais um concerto na Cidade das Artes, sob a regência do maestro residente da OSB, Lee Mills, neste 1º de outubro, a partir das 21h, intitulado "A música clássica no Cinema". As obras escolhidas são do período Clássico e Romântico, e estiveram presentes em várias produções cinematográficas. Do Quarteto ‘Imperador’ de Haydn, utilizado na trilha de Casablanca, passando pelas sinfonias de Beethoven, em L.A. Story e Embalos de Sábado à Noite, ou mesmo de Schubert, com sua ‘Inacabada’, utilizada no filme Minority Report, muitos diretores souberam explorar em seus filmes obras emblemáticas do repertório camerístico e sinfônico.    A percepção de que muitas vezes você escuta música clássica e não sabia já foi explorada pela OSB em uma campanha publicitária da orquestra em 2013, produzida ao lado da Artplan, chamada “Clássicos por Trás dos Clássicos”, mostrando como a música orquestral está presente na vida das pessoas e elas nem imaginam. Tendo como pano de fundo produções cinematográficas famosas, a campanha para web ganhou até prêmio em Cannes, maior festival de publicidade do mundo. Desde então, em todas as temporadas, a OSB abre espaço para a clara relação entre o cinema e a música de concerto, aproximando o espaço da sala de espetáculo para novos públicos. De acordo com Pablo Castellar, diretor artístico da OSB, “este programa nos revela a magia da música no cinema. Diretores com grande habilidade incrementam a sua narrativa cinematográfica, se utilizando da expressividade de obras criadas muito antes da invenção dos irmãos Lumière. A música nos mostra aquilo que a imagem por si só não consegue mostrar. Ela nos traz emoção, nos leva a momentos no espaço e no tempo, nos conecta a personagens, a objetos e lugares, e nos envolvem na história contada”.   INGRESSOS Assinantes da Série Safira Especial - Música de Cinema ou aqueles que compraram ingressos avulsos para os concertos da Série no dia 01/10 (Herois e Super-Herois), têm os bilhetes válidos para o espetáculo que acontece neste sábado, com o repertório A Música Clássica no Cinema (01/10).   Quem optar pela devolução do dinheiro e fez a sua compra na bilheteria da Cidade das Artes ou pelo site da Ingresso Rápido, deve procurar estes locais para solicitar a respectiva devolução. No caso de Assinantes, a própria FOSB está fazendo o contato.   Os ingressos encontram-se esgotados e as vendas online estão encerradas. Em caso de desistência e devolução de ingressos daqueles que adquiriram anteriormente, existirá a possibilidade de venda na bilheteria da Cidade das Artes, no dia do espetáculo.   Durante essa semana, a Fundação OSB também realizará sorteio de alguns pares de ingressos para quem acompanha as atividades da orquestra pelo Facebook.   Sobre Lee Mills   Em 2016, Lee Mills assumiu o cargo de Maestro Residente da Orquestra Sinfônica Brasileira, depois de ter sido, por dois anos, Maestro Assistente da mesma. Em sua carreira, atuou como diretor musical da Orquestra Sinfônica da Universidade de Towson, em Maryland, por três anos. Vencedor da bolsa da Fundação Georg Solti nos EUA, formou-se em regência orquestral em 2011, tendo como tutores Marin Alsop e Gustav Meier. Foi o fundador da Orquestra de Câmara Divertimento em Walla Walla, Washington, e já esteve à frente das sinfônicas de Saint Louis, Baltimore e Bozeman, dos balés de Moscou e Montana, e de diversos outros grupos.   Sobre a Fundação OSB   Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações: foi a primeira orquestra brasileira a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Durante 76 anos de trajetória ininterrupta, a OSB revelou nomes como Nelson Freire, Arnaldo Cohen e Antônio Meneses, e teve à frente maestros e compositores brasileiros como Heitor Villa-Lobos, Eleazar de Carvalho, Claudio Santoro, Francisco Mignone e Camargo Guarnieri. Também faz parte de sua história a colaboração de alguns dos maiores artistas do cenário internacional, como Leonard Bernstein, Arthur Rubinstein, Mstislav Rostropovich, Igor Stravinsky, Claudio Arrau, Zubin Mehta, Lorin Maazel e Kurt Masur, dentre muitos outros. Sob a direção artística de Pablo Castellar e composta por mais de 90 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla, em sua programação regular de concertos, apresentações especiais e projetos educativos, um amplo universo musical - da produção barroca aos compositores contemporâneos. Para viabilizar suas atividades, a Fundação OSB conta com o incentivo da Prefeitura do Rio de Janeiro, do BNDES, da construtora Carvalho Hosken e de um conjunto de patrocinadores da iniciativa privada, através dos mecanismos federais de incentivo à cultura. Para saber mais sobre o processo de assinaturas acesse o site da OSB – www.osb.com.br.   CONCERTO  "A música clássica no Cinema". Sábado, 1º de outubro, às 21h, na Cidade das Artes Lee Mills, Maestro Residente da OSB   PROGRAMA   A MÚSICA CLÁSSICA NO CINEMA - CIDADE DAS ARTES Lee Mills, regência   JOSEPH HAYDN Quarteto de cordas em Dó maior nº 3, Op. 76 - “O Imperador” | II. Poco adagio, cantabile Aparece em filmes como: Casablanca e Os Doze Condenados   WOLFGANG AMADEUS MOZART Pequena Serenata Noturna em Sol maior, K.525 | II. Romanze Aparece em: X-Men2   As Bodas de Fígaro, K.492 | Abertura Aparece em: Noiva em Fuga   Concerto para Clarineta, K.622 | II.Adagio Aparece em filmes como: Gigolô Americano, A Força do Amor e Beleza Roubada   Sinfonia nº 25 em sol menor, K.183 | I. Allegro con brio Aparece em filmes como: Amadeus e Romeu + Julieta   LUDWIG VAN BEETHOVEN                                                                                          Sinfonia nº 5 em dó menor, Op. 67 | I. Allegro con brio Aparece em filmes como: Austin Powers, L.A. Story e Embalos de Sábado à Noite.   Sinfonia nº 7 em Lá maior, Op. 92 | II. Allegretto Aparece em filmes como: Minha Amada Imortal e Irreversível   GABRIEL FAURÉ                                                                                                       Pavane, Op. 50 Aparece em filmes como: O Heroico Covarde e Sr. Ninguém   FELIX MENDELSSOHN                                                                                                Sonho de uma noite de verão, Op.61 | IV. Marcha Nupcial Aparece em filmes como: Família Adams, Confissões de uma Mente Perigosa, The Rocky Horror Picture Show, entre outros.   EDWARD ELGAR                                                                                                       Variações Enigma, Op. 36 (Variações sobre um Tema Original) | IX. Nimrod Moderatto Aparece em filmes como: Crush e Elisabeth   FRANZ SCHUBERT                                                                                                    Sinfonia nº 8 em si menor, D.759 - "Inacabada" | I. Allegro moderato Aparece em: Minority Report [+] saiba mais Jorge Larrosa Curso com Jorge Larrosa - Professor de Filosofía da Educação na Universidade de Barcelona 27/09 a 29/09 Outros Curso | Tempos, espaços, materialidades e sujeitos  no trabalho artístico  e educativo   O curso se propõe a refletir sobre a arte e a educação como dispositivos materiais que constroem e dão tempo (livre), espaço (público) e bens (comuns), e que posicionam os sujeitos em uma perspectiva de igualdade.Trata-se também de analisar a cidade contemporânea como o lugar da privatização, capitalização, e, portanto, o arrasamento dos tempos, dos espaços, das materialidades e das formas de subjetividade que constituem “o educativo”, “o artístico”, e “o cultural”. No curso, serão discutidos textos e imagens a fim de provocar a discussão entre os participantes e, idealmente, constituir um espaço coletivo para o pensamento  e a in (ter) venção.   JORGE LARROSA   Professor de Filosofía da Educação na Universidade de Barcelona, fez pós- doutorado em Paris e Londres. Autor de vários livros publicados na Espanha, Argentina, Colômbia, México, Venezuela, França e Brasil. Autor de quase uma centena de artigos em revistas de diferentes países. Membro do Conselho Editorial de várias revistas. Professor convidado em universidades europeias e latino-americanas. Suas obras, de clara vocação ensaística, movem-se entre a filosofia, a literatura e as artes. Seus principais temas são a relação entre experiência e linguagem, experiência e subjetividade, experiência e educação.   Jorge Larrosa tem trabalhado frequentemente com artistas (ambas as artes - visuais e artes cênicas) e mediadores culturais. Entre as suas obras artísticas e culturais destacam-se: a conferência “Experiência e Educacão” no curso “Arte e mediacões” (29ª Bienal de São Paulo, São Paulo 2011), o projeto teatral “Ensaios Ignorantes” (com Juliana Jardim, SESC Interlagos, São Paulo 2011), a curadoria de “Palavra Muda” (projeto teatral com Zebba Dalfarra, Ausgang Teatro e a Escola de Artes Cênicas da Universidade de São Paulo, 2013), a residência artística “Palavra Muda” (no 7º Festival de Dança Interação e Conectividade, Salvador, Bahia, 2013), o curso “Bens públicos/bens comuns”. Arte, educação e acessibilidade” (31ª Bienal de São Paulo, São Paulo 2014), e a direção do Laboratório "Mais Diferenças de Experimentação e Educação e Cultura Inclusiva" (desde 2013).   Como editor, dirige três coleções de livros: a coleção de “Pedagogia” da editora Laertes (Barcelona, Espanha), a coleção “Educacão: novas linguagens”, da editora Miño y Dávila (Buenos Aires, Argentina) e a coleção “Educação e experiência” na editora Autêntica (Belo Horizonte, Brasil).   Informações   Custo R$300,00 - Vagas limitadas Inscrições pelo email: saladeleitura@cidadedasartes.org  Mais informações pelo telefone: 3325-0448   As inscrições só serão confirmadas após o pagamento. [+] saiba mais 1 Conferência com Jorge Larrosa - "Um saber realmente útil" 26/09 Arte e Educação “Um Saber Realmente útil”​é o título de uma exposição realizada no Museu Reina Sofia em Madrid, entre 2014 e 2015. A ideia curatorial da exposição se remetia a uma discussão que ocorreu em organizações de trabalhadores no Reino Unido, nas décadas 1820 e 1830, sobre a necessidade de educação dos filhos dos pobres não se reduzir ao que era "útil" para eles, mas que contivesse as mesmas disciplinas "inúteis" e pouco práticas que os filhos da burguesia eram educados. A partir dessa ideia, e tendo alguns textos de Jacques Rancière sobre a apropriação do tempo livre de trabalho e dos saberes considerados menos “úteis”, a conferência procurará refletir sobre o que pode significar, hoje, uma Escola de Artes.   Vagas limitadas Inscrições: saladeleitura@cidadedasartes.org ou 3325.0448 (terça a domingo – 10h às 18h). Evento Gratuito [+] saiba mais 1 Minotauro - Fábula Musical 24/09 a 25/09 Arte e Educação Minotauro | Fábula Musical   Minotauro, fábula musical é um espetáculo voltado para o público infantil que tem como temática a Mitologia Grega e a superação dos medos. A peça tem formato itinerante, onde o público caminha através de cinco cenários diferentes e conta a história de Agabo, jovem retratista da Ilha de Creta, que ao saber de um concurso para retratistas, resolve participar pintando a cara de seu maior medo desde menino: Minotauro. Para isso, Agabo precisa entrar no famoso Labirinto de Creta, onde vive o temível monstro de chifres, antes que Teseu, o herói de Atenas, chegue para matar o monstro.    O Minotauro, na mitologia grega, era segundo sua representação mais tradicional entre os gregos antigos, uma criatura imaginada com a cabeça de um touro sobre o corpo de um homem. Minotauro, fábula musical recebeu o Prêmio FUNARTE Myriam Muniz de Teatro 2012 e já teve duas temporadas no Rio de Janeiro com sessões sempre lotadas.   Distribuição de senhas 1h antes do início do espetáculo.   [+] saiba mais Orquestra Sinfônica Brasileira | Clássicos Animados 24/09 Música Informação  Os ingressos para o concerto deste sábado, 24 de setembro, estão a priori - ESGOTADOS   Assinantes da Série Safira ou aqueles que compraram ingressos avulsos para o concerto da série Safira | Especial Música de Cinema - Tributo a Bernard Hermann, têm o bilhete válido para a apresentação do dia 24 ou podem optar pela devolução do dinheiro. No caso de assinantes, o contato é com a própria OSB. Já as compras pela bilheteria da Cidade das Artes ou pela Ingresso Rápido devem ser revistas com os mesmos.   Novo Programa  |  Clássicos Animados   Lee Mills, regência   FRANZ VON SUPPÉ Cavalaria Ligeira | Abertura EDVARD GRIEG Peer Gynt Suite | I.Amanhecer GIOACHINO ROSSINI O Barbeiro de Sevilha | Abertura JOHANN STRAUSS JR. Pizzicato Polka GIOACHINO ROSSINI Guilherme Tell | Abertura LUDWIG VAN BEETHOVEN Sinfonia nº 6 em Fá maior, Op. 68 – Pastoral JACQUES OFFENBACH Orfeu no Inferno | Galope Infernal FRANZ VON SUPPÉ Manhã, tarde e noite em Viena | Abertura JOHANN STRAUSS JR. O Morcego | Abertura Sangue Vienense, Op. 354 JOHANNES BRAHMS Dança Húngara nº 5   Clássicos Animados   Quem não se lembra do endiabrado Pernalonga ou o "Coelho de Sevilha", atormentando a vida de Gaguinho e tendo como trilha sonora a clássica abertura da ópera de Rossini? Ou mesmo a versão do Lobo Mau e os Três Porquinhos, na interpretação da famosa Danças Húngaras Nº V, de Brahms? Ainda no programa regido pelo maestro residente Lee Mills, a OSB apresenta o segundo movimento de sua sexta sinfonia de Beethoven, a Pastoral, utilizada no filme Fantasia da Walt Disney, estrelado por Mickey Mouse. O famoso ratinho também será relembrado em "Cavalaria Ligeira", de Suppé, e pela abertura de Guilherme Tell, também de Rossini. O repertório, com 11 obras, também traz Johan Strauss Jr, com O Morcego, imortalizado no desenho de Tom & Jerry, Pizzicato Polka e Sangue Vienense de Pernalonga e sua turma. Completam a noite a suíte Peer Gynt, de Edward Grieg, presente também nos desenhos como Pernalonga, Toy Story 2 e The Simpsons; Suppé, com Manhã, Tarde e Noite em Viena, e Orpheu no Inferno, de Offenbach, eternizado em Looney Tunes Can Can.   Sobre Lee Mills   Em 2016, Lee Mills assumiu o cargo de Maestro Residente da Orquestra Sinfônica Brasileira, depois de ter sido, por dois anos, Maestro Assistente da mesma. Em sua carreira, atuou como diretor musical da Orquestra Sinfônica da Universidade de Towson, em Maryland, por três anos. Vencedor da bolsa da Fundação Georg Solti nos EUA, formou-se em regência orquestral em 2011, tendo como tutores Marin Alsop e Gustav Meier. Foi o fundador da Orquestra de Câmara Divertimento em Walla Walla, Washington, e já esteve à frente das sinfônicas de Saint Louis, Baltimore e Bozeman, dos balés de Moscou e Montana, e de diversos outros grupos.                         [+] saiba mais 1 Tokyo 2020 | Japan House 07/09 a 18/09 Outros Durante o período dos Jogos Paralímpicos o público vai experienciar  a cultura japonesa, desfrutar de diversos conteúdos em exposição, e também conhecer um pouco sobre o local dos próximos jogos olímpicos, denominado - TOKYO 2020 - de 07 à 18/09, aqui na Praça da Cidade das Artes. Em virtude da realização de um evento restrito para convidados, excepcionalmente no dia 17 de setembro, o público não terá acesso ao local.   ÁREA TOKYO 2020 Apresenta a visão, os destaques e a logomarca dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, bem como o novo Estádio Olímpico Nacional. Também apresenta o conceito que está sendo pensado para os Jogos, outros eventos e atrações.   ÁREA DO GOVERNO METROPOLITANO DE TÓQUIO Uma mostra baseada no tema "Cidade da Água”, que por meio de uma variedade de exposições interativas mostrará Tóquio como uma cidade em constante evolução.   ÁREA DO GOVERNO DO JAPÃO Área de divulgação da culinária japonesa, bem como de várias nuances das características especiais do Japão, incluindo uma experiência de vídeo de 8K, cultura gastronômica, tradição cultural, informação turística e muito mais. * Esta área oferece exposições elaboradas em cooperação com o Gabinete do Governo, Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações, Receita Federal, Agência de Assuntos Esportivos, Agência de Assuntos Culturais, Ministério da Agricultura, Silvicultura e Pesca (MAFF), Ministério da Economia, JAPAN EXTERNAL TRADE ORGANIZATION (JETRO) e Agência Nacional de Turismo do Japão (JNTO).   ÁREA DOS PATROCINADORES DE TOKYO 2020 Área de exposição das empresas patrocinadoras dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tokyo 2020.   ÁREA DE APOIO AOS ATLETAS DA EQUIPE JAPONESA DOS JOGOS RIO 2016 Apresentação dos atletas japoneses participantes. Também inclui a mostra de uniformes oficiais utilizados pelos atletas japoneses.   ÁREA DAS PROVÍNCIAS JAPONESAS Exposição que gira em torno de uma coleção de fotos especialmente selecionadas de cada prefeitura no Japão, para revelar as belas paisagens ao longo das quatro estações e edifícios.   ÁREA DE EXPERIÊNCIA CULTURAL Área interativa para conhecer a cultura japonesa. As mostras incluem cerimônia do chá, yukata, caligrafia ("shodo") e pesca yo yo, muito popular em festivais no Japão.   ESCRITÓRIO ITINERANTE DO CONSULADO GERAL DO JAPÃO NO RIO DE JANEIRO O Ministério das Relações Exteriores montou um posto de atendimento do Consulado Geral para oferecer informações e consultas para o público do Japão e outros participantes.   PROGRAMAÇÃO GRATUITA DE SHOWS Venha comemorar mais 120 anos da história de amizade entre Brasil e Japão! E assista ao vivo shows inéditos, sincronizando os ritmos dos melhores percussionistas brasileiros com os tradicionais tambores japoneses.   Sábado, 10 de Setembro  14:00-14:30 | Requios Gueino Dokokai - Eisa Taiko 16:00-17:30 | MONOBLOCO・KEITA BRASIL Sujeito à lotação   Domingo, 11 de Setembro 16:00-17:00  BATUCADA BLACK・KEITA BRASIL Sujeito à lotação   Sexta-feira, 16 de Setembro 15:00-16:00  Moacyr Luz e Samba do Trabalhador・KEITA BRASIL Sujeito à lotação   Domingo, 18 de Setembro 16:00-17:00  BATUCADA BLACK・KEITA BRASIL Sujeito à lotação   Mais informações https://tokyo2020.jp/en/special/rio-to-tokyo/por/lp.html   [+] saiba mais 1 Alcione Boleros | Gravação do DVD - ESGOTADO 17/09 Música Alcione Boleros | Gravação do DVD  ESGOTADO   Depois de passar pelas principais cidades brasileiras, realizar temporadas superlotadas por alguns dos seus principais teatros e casas de espetáculos, sem esquecer de mencionar as excursões internacionais em países como Portugal, Suíça, Alemanha, Moçambique e Angola com um espetáculo baseado no CD/DVD "Eterna Alegria ao Vivo", a cantora inicia um novo e inspirado projeto: "Alcione Boleros".   Amplamente compatível com seu histórico de hits românticos, letras e canções emocionais "à flor da pele", o projeto era um dos sonhos ainda não concretizados pela intérprete. "- Gosto de cantar aquilo que me emociona, e sempre me emocionava ao ouvir os sucessos de Ângela Maria, Núbia Lafayette, Elizeth Cardoso, e de tantas e tantas divas do gênero. E o meu público, felizmente, sempre aprovou minhas incursões pelo estilo. Tanto que alguns dos meus maiores sucessos pertencem ao gênero romântico".   Antes mesmo de seguir para o estúdio de gravação com a finalidade de registrar alguns dos seus boleros favoritos, Alcione resolveu apresentar o novo projeto para os fãs e está preparando uma próxima turnê. No repertório, inesquecíveis e antológicos boleros que se perpetuaram no imaginário coletivo. Melodias que embalaram, embalam, alimentam romances, amores e desamores. Músicas como "Risque" (Ary Barroso), "Segredo" (Herivelto Martins), "Que Queres Tu De Mim" (Jair Amorim / Evaldo Gouveia), "Gracias A La Vida" (Violeta Parra), "Escribeme" (Guilhermo Castillo), "Corsário” (João Bosco / Aldir Blanc), dentre muitas e muitas outras. Um roteiro que ainda incorpora apropriadas canções inéditas impregnadas de visceralidade e de um romantismo que a Marrom sabe incorporar como ninguém.   Apesar de começar este novo projeto com uma turnê nacional, o objetivo também é gravar um álbum inteirinho com standards do romantismo (e também novas composições) dedicados ao estilo que tem lugar cativo nas paradas de sucesso. O álbum, assim como o roteiro deste novo show, terá canções em português e em espanhol. Alcione, com àquele vozeirão peculiar, consegue seduzir as plateias interpretando samba, forró, jazz, reggae ou qualquer outro estilo de música. No entanto, a música romântica sempre teve um lugarzinho especial e cativo em seus espetáculos e, claro, no coração da sua apaixonada e fidelíssima legião de fãs.   Alcione Boleros, este novo projeto da cantora, por todos e tantos aspectos positivos já relatados, tem tudo mas tudo mesmo para ser mais um golaço de placa desta artista que, além de estar celebrando mais de 4 décadas de sucesso, conseguiu, em 2015, encantar o público ainda mais, cantando em francês no projeto "Inusitado", na Cidade das Artes. [+] saiba mais 1 Oficina de Origami 17/09 Arte e Educação Oficina de Origami   Origami é a arte tradicional japonesa de dobrar o papel criando representações de determinados seres ou objetos com as dobras geométricas de uma peça de papel, sem cortá-la ou colá-la. Venha aprender com o professor Bruno Ferraz divertidas formas como caixinha, coração entre outros. O origami também trabalha a memória, concentração, visão espacial e você ainda levará para casa todas as dobraduras feitas no dia.   Informações   Capacidade:​ 40 por sessão Inscrições: saladeleitura@cidadedasartes.org (terça a domingo - 10h às 18h) Mais informaçoes: 3325.0448 [+] saiba mais 1 Encontro de Corais - Câmara Comunitária da Barra da Tijuca 10/09 Música O Coral Em março de 2007, logo após a inauguração da sede própria da Câmara Comunitária da Barra, surgiu o Coral da Câmara Comunitária da Barra da Tijuca, como parte de seus objetivos. Formado por pessoas amantes da música e que gostam de cantar, o Coral iniciou suas atividades com, aproximadamente, 60 (sessenta) coralistas adultos, sem limite de idade, em 4 (quatro) vozes.   A Câmara Comunitária da Barra da Tijuca, fundada em junho de 1992,  tem por objetivo exercer a sua representatividade junto às autoridades públicas, nas questões relativas à qualidade de vida da Barra da Tijuca, nos seguintes aspectos: saneamento básico, segurança pública, transporte,saúde. educação e cultura. Constituem a CCBT Condomínios, Associações de Moradores, Escolas, Igrejas e Clubes, através de seus representantes (Síndicos, Presidentes, Diretores, etc), o que até o ano de 2006 totaliza aproximadamente 400 filiados,ou seja,mais de 45.000 unidades e 180.000 moradores. É com esta representatividade que a CCBT tem alcançado resultados em todas as suas reivindicações e conquistado o respeito e a admiração dos poderes constituídos, da imprensa e da população residente na Barra da Tijuca. A CCBT, hoje, com o Título de Utilidade Pública e reconhecimento internacional, é referência para dezenas de outras Câmaras Comunitárias implantadas em todo território nacional.   Corais participantes:   CCBT AABB Península Grupo Vocal Cantaí Clube de Regatas do Flamengo Encanta Rio 2 Barramares Tu Voz Mi Voz [+] saiba mais Acija 4° Show de Corais | Acija - Homenagem a Roberto Carlos 07/09 Música 4º Show de Corais em homenagem ao cantor Roberto Carlos   Corais   1 – Vozes da Globo (TV Globo) 2 – Coral da Servier (Laboratórios Servier) 3 – Vozes de Far (Farmanguinhos/FIOCRUZ) 4 – ASBOCAS da ASBAC (Associação dos Servidores do banco Central) 5 – Grupo Amantes da Música Independente 6 – Chorus Lux (Representando ACIJA) 7 – Coral do Loreto (Igreja Nossa Senhora do Loreto)   Associação Comercial e Industrial de Jacarepaguá (ACIJA), fundada em 1959 e formada, atualmente, por mais de 500 associados, congrega comerciantes, indústrias e profissionais liberais estabelecidos em Jacarepaguá. Tem por missão principal, sustentar, defender e pleitear, perante o Poder Público e onde se fizer necessário, tudo quanto faça prosperar estes segmentos econômicos, estimular o desenvolvimento sustentável da região de Jacarepaguá, o fortalecimento da livre iniciativa e a preservação dos princípios da justa concorrência, da responsabilidade social e da ética.     [+] saiba mais 1 Festival de Pipas Artísticas 04/09 Arte e Educação Festival de Pipas Artísticas O objetivo do evento é mostrar a pipa como arte popular e  orientar as crianças de como empinar pipas com segurança.   Programação   09:00h - Inscrição dos participantes do Festival de Pipas Artísticas - diurno e noturno. 10:00h - Início do festival nas categorias:               Mais bonita, mais original, melhor centopéia, maranhão vazado e raia vazada.              -Distribuição de pipas com linhas e rabiolas além das normas de como empinar pipas com segurança (para o público presente) 15:00h - Premiação aos vencedores do festival diurno. 15:30h - Oficina de aplicação de Leds nas pipas para o festival noturno. 17:00h - Festival de pipas Noturno. 21:00h - Premiação aos vencedores.    [+] saiba mais 1 Lendas do Japão | Contação de histórias 27/08 Arte e Educação Lendas do Japão é a contação de histórias apresentada pela Cia.Casa Verde, do município de Itaguaí, onde existe uma das maiores colônias japonesas do Brasil. O espetáculo conta com quatros lendas que retratam o dia a dia e os costumes dos moradores da terra do sol nascente:   “As estátuas de Jizo”, “O caso do cheiro roubado”  “A metamorfose da garça branca”  “A história de Urashima Taro”.   Elenco   Maria dos Remédios Lucas Gomes Lucas Alves Deborah Florian Igor Araújo Manoel Ribeiro Uesley Pereira Rayana Diniz Valdeci   Direção Alexandre Damascena   A atividade é gratuita e não será necessária inscrição prévia. [+] saiba mais 1 Sambra - O Musical - 100 anos de samba 11/08 a 27/08 Teatro Sambra - 100 Anos de Samba    Uma mescla de musical e show, o espetáculo “SAMBRA”, passeia pela história do samba e de seus baluartes,contando a trajetória deste gênero musical em homenagem a seus 100 anos de existência. O musical foi escrito e é dirigido por Gustavo Gasparani.   Com Diogo Nogueira e grande elenco, o espetáculo contém em torno de 70 músicas cantadas e 25 outras que ligam as canções em formato de texto. A narrativa é feita de forma quase cronológica e conta desde a história de “Pelo Telefone”, supostamente o primeiro samba gravado no país, passa pelo berço do samba, a Praça XI, visita os morros cariocas, o teatro de revista, fala de boemia e malandragem, passeia pelo samba politizado, pelos subúrbios cariocas e deságua na apoteose do samba na Avenida, no desfile das escolas de samba. “SAMBRA" é uma grande viagem, irreverente e lúdica, nada didática, em que o samba é a inspiração, o protagonista, explica o autor e diretor do espetáculo, Gustavo Gasparani.         [+] saiba mais 1 Vicente de Mello | Bate-papo e Oficina 20/08 Arte e Educação Vicente de Mello falará sobre sua série fotográfica PLI SELON PLI, uma homenagem ao compositor Pierre Boulez, e a intenção de realizar uma obra sonora fotográfica. PLI SELON PLI é um grande móbile que se dobra sobre sua dobra, muda o sentido, a ordem.. É uma desconstrução com a própria música.   Oficina 1ª Parte Ver o mundo por um monóculo Criação de cones e a utilização dos mesmos os cones para delimitar o campo visual e observar detalhes da Cidade das Artes.   2ª parte Utilizando câmera de celular Os participantes escolherão objetos e detalhes da arquitetura da Cidade para fotografar digitalmente, com o objetivo de transformar o que eles parecem ser, como acontece na obra Plie selon pli, de Vicente de Mello.   Finalização   Apresentação das fotografias feitas pelo grupo. Avaliação e troca de experiências. Encerramento. Livros de Vicente de Mello - sorteio.   Horário: 15h Duração: 2h Local: Sala de Leitura Capacidade: 30 pessoas Classificação: maiores de 12 anos Vagas limitadas Inscrições: saladeleitura@cidadedasartes.org ou 3325.0448 (terça a domingo - 10h às 18h).   [+] saiba mais ikebana Oficina de Ikebana 13/08 Arte e Educação Ikebana (em japonês: 生け花 ou いけばな, literalmente “flores vivas”) é a arte japonesa de arranjo floral, também conhecido como o “caminho das flores” kado (华道). Na arte ikebana, procura-se retratar o equilíbrio existente no universo, unindo o céu (Shin), o homem (Soe) e a terra (Tai ou Hikae) dentro de um mesmo arranjo.   A arte do Ikebana é tão popular no Japão que acabou ganhando fama mundial, tanto que existem mais de três mil escolas que a ensinam no mundo e mais de quinze milhões de praticantes. Cada estilo segue um conjunto determinado de regras e de técnicas na hora de elaborar um arranjo floral.   A atividade será em parceria com a Fundação Mokiti Okada, a qual difunde a Arte da Ikebana estilo Sanguetsu no Brasil desde 1974, por meio de cursos, workshops e seminários. Com o objetivo de trabalhar o crescimento da espiritualidade humana através do contato com a flor, criando um ambiente de harmonia, elevação e arte Aberto ao público em geral (maiores de 12 anos), é preciso inscrição prévia junto ao setor de Arte e Educação da Fundação Cidade das Artes.     Horários: 15h e 16h Duração: 1h cada sessão Local: Sala de Leitura Capacidade: 20 pessoas por turma Classificação: maiores de 12 anos INSCRIÇÕES ENCERRADAS   [+] saiba mais 1 OSB | Manu Dibango - Ray Lema - Fabrice di Falco 10/08 Música Com regência de Lee Mills, Orquestra Sinfônica Brasileira recebe na Grande Sala o saxofonista camaronês Manu Dibango, o pianista da República Democrática do Congo, Ray Lema, e o contratenor martinicano Fabrice di Falco.   Na noite do dia 10 de agosto, o Rio de Janeiro vai falar e, principalmente, ouvir o ritmo e as múltiplas faces da cultura francesa. A Fundação OSB e a Organização Internacional da Francofonia (OIF) e a  Fundação Cidade das Artespromovem um encontro marcante entre músicos brasileiros, africanos, europeus e latino-americanos na Cidade das Artes, a partir das 21h. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do espaço cultural na Barra da Tijuca ou pelo site da Ingresso Rápido.   Em todo o mundo, cerca de 275 milhões de pessoas são fluentes em francês. No Brasil, mais de 500 mil falam a língua de Victor Hugo. A OIT é uma instituição que reúne 80 governos e estados espalhados por vários cantos do globo e promove não só a língua, como também, os valores culturais dessa imensa e diversificada comunidade.   O repertório apresenta composições de autores de origem francesa como Ravel, Bizet e Satie, mas também celebra o trabalho dos solistas que participam do concerto.  O contratenor Fabrice di Falco canta Purcell, Saint-George, Mozart, além de árias da ópera Carmen. Já o pianista do Congo, Ray Lema, apresenta ao público obras de sua autoria como “Stop Time” e “Partage”, peças que contém DNA inspirado no que é conhecido como afro-jazz. Indo também nesta direção, Manu Dibango – compositor e músico de afrobeat, também celebrado no universo pop, empunha seu saxofone inspirado nos ritmos africanos em sintonia com o jazz. O camaronês traz à Cidade das Artes, obras como “Waka-Juju” e “Papa Groove”.   Programa: Lee Mills, Maestro Residente da OSB Fabrice di Falco (contratenor) Manu Dibango (saxofone) Ray Lema (piano)   Satie, Erik - Gymnopedies 1 e 3 Purcell, Henry - Rei Arthur | What Power Art Thou (Cold Song) - Extraido do 3º Ato Saint-George, Joseph B. - Penser sans pouvoir agir (Área de Le Duc) Joplin, Scott / arr.: Farjot, J. - A Picture of her Face Mozart, W.A. - Mitriade KV.87 | Gia Dagli Occhi (Aria de Farnace) - Extraído do 3º Ato Bizet, Georges - Carmen | L'amour Est un Oiseau Rebelle / Scene e Habanera Lema, Ray - Stop Time Lema, Ray - C'est une Garonne Lema, Ray - Partage Dibango, Manu - Waka-Juju[aprox. Dibango, Manu - Douala Serenade Dibango, Manu - Papa Groove Ravel, Maurice – Bolero   Sobre Manu Dibango Nascido como Emmanuel N'Djoké Dibango em Duala, Camarões a 12 de dezembro de 1933, é um saxofonista e vibrafonista de jazz e afrobeat. Uma de suas canções, "New Bell", figurou na trilha sonora do jogo Grand Theft Auto IV, mais precisamente na rádio IF99. Uma de suas obras mais conhecida é o afrobeat "Soul Makossa" de 1972 – sendo um dos primeiros africanos a ganhar o disco de ouro nos Estados Unidos. A música foi incorporada por Michael Jackson em "Wanna be start something" e Rihanna em "Don't stop the music".   Sobre Fabrice di Falco O contra-tenor Fabrice di Falco, Cavaleiro da Legião de Honra nasceu na Martinica em Fort de France. Ele obteve o primeiro prémio de Boulogne-Billancourt Conservatório Nacional em 1999. Os convidados frequentes no Óperas Productions barroca e contemporânea óperas em França e no estrangeiro, há também um considerando solista em Festivais Internacionais como na Alemanha, Rússia, Suécia, Itália, Argentina, África, Romênia, Azerbaijão, Japão, Bermudas. Seu selo especial que lhe permite cantar para Sua Majestade a Rainha da Dinamarca a Fredensborg Palace e desde 2005 a Sua Majestade Sultan Qaboos bin Said de Omã com a Orquestra em um programa em torno do Barrows.   Sobre Ray Lema Interessado por todo tipo de estilo musical e precursor nos gêneros, Ray Lema tornou-se famoso no meio internacional da World Music desde os 80, que descobre então as Músicas Africanas. Ele realiza várias colaborações que enriquecem suas composições e seu universo musical: de Stewart Copeland (ex-baterista do Police) para as Vozes Búlgaras, dos Tyour Gnawa de Essaouira para a Orquestra de Câmara de Sundsvall na Suécia, com o cantor e compositor brasileiro Chico César ou ainda mais recentemente, como solista convidado da Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo no Brasil.   Sobre Lee Mills Em 2016, Lee Mills assumiu o cargo de Maestro Residente da Orquestra Sinfônica Brasileira, depois de ter sido, por dois anos, Maestro Assistente da mesma. Em sua carreira, atuou como diretor musical da Orquestra Sinfônica da Universidade de Towson, em Maryland, por três anos. Vencedor da bolsa da Fundação Georg Solti nos EUA, formou-se em regência orquestral em 2011, tendo como tutores Marin Alsop e Gustav Meier. Foi o fundador da Orquestra de Câmara Divertimento em Walla Walla, Washington, e já esteve à frente das sinfônicas de Saint Louis, Baltimore e Bozeman, dos balés de Moscou e Montana, e de diversos outros grupos.   Sobre a Fundação OSB Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações: foi a primeira orquestra brasileira a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Durante 76 anos de trajetória ininterrupta, a OSB revelou nomes como Nelson Freire, Arnaldo Cohen e Antônio Meneses, e teve à frente maestros e compositores brasileiros como Heitor Villa-Lobos, Eleazar de Carvalho, Claudio Santoro, Francisco Mignone e Camargo Guarnieri. Também faz parte de sua história a colaboração de alguns dos maiores artistas do cenário internacional, como Leonard Bernstein, Arthur Rubinstein, Mstislav Rostropovich, Igor Stravinsky, Claudio Arrau, Zubin Mehta, Lorin Maazel e Kurt Masur, dentre muitos outros. Os espetáculos da OSB acontecem hoje nas três mais importantes salas dedicadas à música de concerto do Rio de Janeiro, a Cidade das Artes, o Theatro Municipal e a Sala Cecília Meireles. Sob a direção artística de Pablo Castellar e composta por mais de 90 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla, em sua programação regular de concertos, apresentações especiais e projetos educativos, um amplo universo musical - da produção barroca aos compositores contemporâneos. Para viabilizar suas atividades, a Fundação OSB conta com o incentivo da Prefeitura do Rio de Janeiro, do BNDES, da construtora Carvalho Hosken e de um conjunto de patrocinadores da iniciativa privada, através dos mecanismos federais de incentivo à cultura. Para saber mais sobre o processo de assinaturas acesse o site da OSB – www.osb.com.br.   Sobre a Francophonie A Francofonia é uma das grandes áreas linguísticas mundiais. Não se limita a um idioma em comum, dado que é também fundamentada no compartilhamento dos valores humanistas que foram veiculados pela língua francesa. São os dois pilares sobre os quais está alicerçada a Organização Internacional da Francofonia. Criada em 1970, a Organização Internacional da Francofonia (OIF) tem por missão dar corpo a uma solidariedade activa entre os 80 Estados e governos que a compõem (57 membros e 23 observadores) - ou seja, mais de um terço dos Estados membros das Nações Unidas -, totalizando uma população de mais de 890 milhões de pessoas, 274 milhões das quais são francófones. [+] saiba mais 1 Oficina de Origami 06/08 Arte e Educação Origami é a arte japonesa de dobrar o papel. Venha aprender com o professor Bruno Ferraz divertidas formas como caixinha, coração entre outros. O origami também trabalha a memória, concentração, visão espacial e você ainda levará para casa todas as dobraduras feitas no dia.   Horários: 15h e 16h Duração: 1h cada sessão Local: Sala de Leitura Capacidade: 30 crianças por sessão Classificação: maiores de 5 anos   INSCRIÇÕES ENCERRADAS   [+] saiba mais 1 Sankai Juku | Meguri 16/07 a 17/07 Dança A Cidade das Artes recebe a premiada companhia de Butô SANKAI JUKU com o espetáculo MEGURI   MEGURI                                                            Mar exuberante,Terra tranquila A palavra MEGURI é representada em caracteres chineses (pictográficos) como 回 e sua pronúncia é  MEGURU.  Na forma de verbo, refere-se a fenômenos como água em movimento circular e também tudo o que gira. MEGURI, é, portanto, um termo usado para tudo o que se move ou circula seguindo uma ordem ou um sistema pré-descrito, como a passagem do tempo, o ciclo das quatro estações e as transições que já ocorreram na terra.   Sequência   I.       Um clamor à distância II.      Transformação do fundo do mar III.     Duas superfícies IV.     Premonição – Quietude—Tremores V.      Floresta de Fósseis VI.     Entrelaçamentos VII.   Retorno   SANKAI JUKU sob a direção de USHIO AMAGATSU   SANKAI JUKU foi criada em 1975 sob a direção de Ushio Amagatsu, que pertence à segunda geração de dançarinos de Butô.  Os fundadores desta forma de dança foram  Hijikata e Kazuo Ono. O Butô transcendeu as reações da geração “pós-Hiroshima” no Japão na década de 1960, e lançou a base para uma abordagem radical da dança japonesa contemporânea.   Na visão de Amagatsu, o Butô não é simplesmente uma nova técnica, ou um estilo acadêmico, mas concentra-se na articulação da linguagem corporal a fim de encontrar, no íntimo de cada ser humano, a universalidade serena, mesmo que possa estar, por vezes, ligada a crueldade ou brutalidade.  Porém, a percepção pode variar de um indivíduo para outro.  A busca pessoal de Amagastu baseia-se em “Diálogo com a gravidade” - um livro publicado em 2001 pela Actes Sud Edition.   Antes de praticar Butô, Amatagsu  treinava na “Escola de Dança Clássica e Moderna” em Tóquio.  Em 1975,   Iniciou uma série de oficinas para encontrar dançarinos para sua recém-criada companhia.  Do grupo de 30 - do sexo masculino e feminino - no início, apenas 3 rapazes ficaram até o final de um ano do projeto.  Sankai Juku era então conhecida como uma companhia formada apenas por homens.  Sankai Juku significa, literalmente “oficina da montanha e do mar”, em referência aos dois elementos básicos da topografia japonesa.   Já em 1975, Sankai Juku começou a se apresentar no Japão em pequenos teatros de vanguarda.  A maior montagem do grupo foi KINKAN SHONEN, em 1978. A peça revelou a nova direção artística de Amagatsu, que conferiu ao Butô uma imagem mais clara e mais transparente, assim como também mais telúrica.     A força de cada expressão individual, em cada movimento e em cada emoção íntima, alimenta-se  das origens do mundo para representar uma percepção apaixonada da vida, da morte e da universalidade.   Em 1980, SANKAI JUKU recebeu o primeiro convite para a Europa – para o Festival de Nancy.  A partir de então, radicado em Tóquio, o grupo tem realizado tournées pela Europa, América do Sul, Austrália, Ásia e pelos Estados Unidos.   Fora do âmbito de sua companhia,  AMAGATSU criou uma peça intitulada “Fifth” (O quinto) com cinco dançarinos ocidentais, em 1988.  Encenou, também, a criação mundial da ópera “Trois Soeurs” (Três irmãs), de Peter Eotvos, na Ópera de Lyon(1988), no Théâtre du Chatelet, em Paris,  no Théatre de la Monnaie em Bruxelas, e no Wiener Festwochen em Viena.  Apresentou, ainda, a mais recente montagem de “Lady Sarashina”, também de Peter Eotvos, na Ópera de Lyon e na Opéra Comique de Paris. Amagatsu coreografou uma peça solo para o dançarino indiano Shantala Shivalingappa.     Prêmios    Chevalier des Arts et Lettres - França Président du jury des Rencontres Internationales de Bagnolet - França. Prix du Ministère des Affaires Etrangères du Japon - Japão. Prix du Syndicat National de la Critique pour « Trois Sœurs » - França Prix de l’Association des critiques du Japon - Japão Laurence Olivier Award: meilleure production chorégraphique « Hibiki » - Reino Unido. Président du Jury du Toyota Choreography Award - Japão Art Encouragement Prize du Ministère de la Culture et Education du Japon - Japão Grand Prix of the 6th Asahi Performing Arts Awards - Japão Prix du Syndicat National de la Critique en France pour « Lady Sarashina » - França Commandeur des Arts et Lettres - França   BAIXE O APP CIDADE DAS ARTES E PARTICIPE DAS SUPERPROMOS EXCLUSIVAS! [+] saiba mais 1 Matheus Nachtergaele - Processo de Conscerto do Desejo 16/07 a 17/07 Teatro O ator Matheus Nachtergaele costuma dizer que a poética do teatro deriva das emoções. E a prova disso ele dá no palco, com o monólogo Processo de Conscerto do Desejo.    Acompanhado pelos músicos Luã Belik (violão) e Henrique Rohrmann (violino), Nachtergaele há quase um ano vem emocionando plateias com este espetáculo, que ele apresenta em celebração à própria mãe, a poeta Maria Cecília Nachtergaele.    Poucas emoções poderiam ser mais fortes, ou mais profundas. Maria Cecília retirou-se da vida em 1968, quando o ator era um bebê de apenas três meses. Nachtergaele recebeu do pai, já na adolescência, os textos deixados pela poeta. “Dela, me restaram seus poemas, lindos e maduros – escritos de uma jovem mulher moderna e triste – e essa veia que me marca a testa quando rio ou choro muito”, conta.    Processo de Conscerto do Desejo chega à Cidade das Artes. Com este nome mesmo, sem nada a mudar no título. Com um concerto, Nachtergaele busca consertar desejos. O ator explica: “Um ser que não carecesse de nada, não desejaria nada. Seria um ser perfeito, um Deus. Por isso a filosofia, tantas vezes, considera o desejo como característica primeira do ser imperfeito, do ser finito”.    Como uma “oração profana”, o espetáculo se constrói em comunhão com o público: “Preciso das pessoas, como observadores emocionados disso tudo. Quero ir consertando meu desejo de acordo com essa emoção, dia após dia. Como na vida. Como no teatro. Isso, só o teatro pode nos trazer. Temos um ator, um violão, lindos poemas e a canção. Tudo pequenininho para a grandeza do essencial”, revela ele.    Sobre Matheus Nachtergaele: Matheus Nachtergaele é um ator e diretor brasileiro com intensa atuação no teatro, cinema e televisão. Iniciou sua carreira teatral com o diretor paulista Antunes Filho, em 1989. No ano seguinte, ingressou na Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (EAD-USP/SP), e logo estreou nos palcos profissionalmente. Com o Teatro da Vertigem, grupo fundado em 1992 e dirigido por Antônio Araújo, protagonizou os espetáculosParaíso Perdidoe O Livro de Jó, que conquistaram prêmios de melhor ator como o Shell, o Mambembe e o APCA. Em seguida, atuou nos espetáculosDa Gaivota, WoyzzeckeA Controvérsia, todos premiados e bem recebidos pelo público e pela crítica. No cinema, estreou sob a direção de Bruno Barreto, em 1997, com o filmeO que é isso, Companheiro? Desde então, atuou em cerca de 30 longa-metragens, entre elesCentral do Brasil, O Auto da Compadecidae Cidade de Deus. Por estes e outros trabalhos recebeu inúmeros prêmios como ator, incluindo APCAs, dois Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Fez sua estreia cinematográfica em 2008, como roteirista e diretor do longa A Festa da Menina Morta, exibido na mostra Un Certain Règard, do Festival de Cannes, e premiado em festivais de cinema no Brasil e no exterior. Matheus atua continuamente, também, em produções para a televisão. Em 2014, foi convidado pelo grupo Entre & Vista para dirigir o espetáculo O País do Desejo e do Coração, de Wiliam B. Yeats, em Tiradentes (MG). No cinema, lança os filmesTrinta, com direção de Paulo Mackline, e Big Jato, com direção de Cláudio Assis. E em São Paulo, filmou sob a direção de Anna Muylaert o longa Mãe só há uma, e protagonizou o curta Quando Parei de me Preocupar com Canalhas, de Tiago Vieira. Em 2015, estreia a sérieZé do Caixão, no Canal Space, com direção de Vitor Mafra. Filmou em Buenos Aires, com Lucrecia Martel, o longa Zama,em fase de finalização. [+] saiba mais 1 CineArtes Federico Fellini - A Doce Vida 17/07 Cinema A Doce Vida é a grande obra-prima do mestre Federico Fellini e também um dos maiores filmes da história do cinema. Roma, início dos anos 60. O jornalista Marcello (Marcello Mastroianni em desempenho memorável) vive entre as celebridades, ricos e fotógrafos que lotam a badalada Via Veneto. Neste mundo marcado pelas aparências e por um vazio existencial, frequenta festas, conhece os tipos mais extravagantes e descobre um novo sentido para a vida.  [+] saiba mais