Fundação Cidade das Artes

Destaques da Programação

rosas saltimbancos les arts panamericana

Dança

05/11 a 07/11

Drumming  (1998) é, sem dúvida, uma das coreografias mais fascinantes de Anne Teresa De Keersmaeker: admirável performance de dança, ao ritmo intenso para percussão do minimalista americano Steve Reich, cujo trabalho representou a linha musical que guiou De Keersmaeker desde Fase (1982), sua estreia como coreógrafa   Reich compôs Drumming no período de 1970 e 1971, logo depois de uma viagem de estudos à África, seguindo um motivo rítmico obsessivo: multiplicando-se e evoluindo para uma rica variedade de texturas...

Teatro

27/09 a 12/10

O currículo de Renato Aragão dispensa apresentações Um dos artistas mais amados e populares de todo o país, fez história na televisão brasileira – com o fenômeno ‘Os Trapalhões’, em que eternizou o personagem Didi, ícone da comédia brasileira – e no cinema, recordista de bilheteria em mais de 50 filmes que marcaram tantas gerações...

Música

17/10

No final do reinado de Luís XIV, as mudanças no estilo de vida aristocrático e o desenvolvimento de salões levou ao retorno da sociedade elegante de Versalhes para Paris Este foi o início de uma nova era social e cultural: na música, isso trouxe uma evolução tanto de ambição e de formato...

Música

14/10 e 15/10

O novo show do projeto “Inusitado”, criado por André Midani para a Cidade das Artes, vai reunir a Banda Panamericana (formada por Dado Villa-Lobos, Dé Palmeira, Charles Gavin e Toni Platão) e Ney Matogrosso, nos dias 14 e 15 de outubro, em um espetáculo dedicado à música latina Formada por grandes representantes do rock nacional, a Banda Panamericana tem como objetivo fortalecer  os vínculos musicais e culturais  com os países irmãos, divulgando no Brasil,  algumas das canções mais importantes do pop e rock hispano-americano, com versões em português...

Eventos Recentes

osb OSB - Série Cidade das Artes - Teatro de Câmara 30/09 e 04/10 Música Para os amantes da música de câmara, a Cidade das Artes e a OSB oferecem no Teatro de Câmara, os músicos da orquestra reunidos em diferentes conjuntos.  [+] saiba mais saltimbancos Os Saltimbancos Trapalhões - O Musical 27/09 a 12/10 Teatro O currículo de Renato Aragão dispensa apresentações. Um dos artistas mais amados e populares de todo o país, fez história na televisão brasileira – com o fenômeno ‘Os Trapalhões’, em que eternizou o personagem Didi, ícone da comédia brasileira – e no cinema, recordista de bilheteria em mais de 50 filmes que marcaram tantas gerações. Prestes a completar 80 anos, ele prepara uma nova estreia: pela primeira vez, fará um espetáculo teatral. Renato protagoniza ‘Os Saltimbancos Trapalhões’, novo musical de Charles Möeller & Claudio Botelho, em cartaz a partir de 03 de outubro na Grande Sala da Cidade das Artes, com produção da Möeller & Botelho e patrocínio da Bradesco Seguros. Dedé Santana, eterno companheiro artístico de Renato em todos estes anos, também estará no elenco da superprodução, ao lado de mais 31 atores e orquestra. Assinado por Charles Möeller, o texto da montagem foi inspirado no conto ‘Os Músicos de Bremen’, que também deu origem à peça ‘Os Saltimbancos’, dos italianos Sergio Bardotti e Luis Enríquez, e ao filme ‘Os Saltimbancos Trapalhões’ (1981), da RA Produções. Chico Buarque foi o responsável por todas as letras das canções e criou clássicos como ‘Piruetas’, ‘História de Uma Gata’ e ‘Hollywood’, que naturalmente fazem parte desta versão para o teatro. ‘Partimos da história original e inserimos novos personagens e situações. Renato nos deixou muito à vontade para criar. A ideia é fazer uma festa em grande estilo para seus 80 anos e esta estreia no teatro, além de celebrar também os 70 anos de Chico Buarque. É um momento muito especial’, avalia Claudio Botelho. ‘Eu nunca fiz teatro na minha vida, pisar no palco é uma novidade, mas fiquei muito tranquilo por estar com Charles e Claudio’, conta Renato, que terá, em cena, a companhia de Roberto Guilherme e Tadeu Mello, seus antigos parceiros na televisão, da filha Lívian Aragão e de experientes nomes do teatro musical, além de uma série de acrobatas e artistas de circo. A equipe criativa traz a marca da Möeller & Botelho, com arranjos e regência do maestro Marcelo Castro, cenários de Rogério Falcão, iluminação de Paulo Cesar Medeiros, coreografias de Alonso Barros e coordenação artística de Tina Salles. A figurinista Luciana Buarque (‘Meu Pedacinho de Chão’) integra o time criativo M&B pela primeira vez. No palco, o foco é na história de Didi e Dedé, dois funcionários humildes que se tornam a grande atração de um circo por conta da incrível capacidade de fazer o público rir. O sucesso desperta a ira do Barão (Roberto Guilherme), dono do circo, e do mágico Assis Satã (Nicola Lama), que passam a persegui-los. Personagens como a vilã Tigrana (Adriana Garambone) e a mocinha Karina (Gisele Prattes) ajudam a criar ainda mais confusões. ‘’Os Saltimbancos Trapalhões’ será um espetáculo para toda a família, assim como fizemos nas montagens de ‘O Mágico de Oz’ e ‘A Noviça Rebelde’ e como o Renato fez a vida inteira na televisão e no cinema’, comenta Charles Möeller.    Uma nova adaptação   Para Charles, o grande desafio foi recontar a história com uma estrutura de teatro musical, em que as canções apareçam de forma orgânica e os números surpreendam pela inventividade cênica e coreográfica. Além dos atores, estarão em cena dez artistas de circo selecionados em disputada audição, entre acrobatas, malabaristas, contorcionistas e trapezistas. ‘Eles estão acostumados a se apresentar em picadeiros, em arenas, e agora se adaptaram ao palco italiano e à contracena com os outros atores e bailarinos, que, na via inversa, precisaram desenvolver as habilidades circenses’, conta Charles.   O diretor ressalta que o espetáculo é também uma grande homenagem à profissão de artista, ao valorizar o caráter artesanal do ofício e, principalmente, ao sublinhar o aspecto singelo e mambembe do circo. O cenário, de Rogerio Falcão, foi todo pintado manualmente e não tem recursos tecnológicos, enquanto os figurinos, de Luciana Buarque, misturam referências de diversas nacionalidades e culturas, típico do universo retratado.  O circo que aparece em cena é decadente, mas acaba de reencontrar o sucesso com o musical que Didi e Dedé montam por lá.   ‘Na adaptação, Didi encontra o conto dos Irmãos Grimm (‘Os Músicos de Bremen’) dentro de uma garrafa, resolve encená-lo como um musical e vira um fenômeno popular’, resume Charles, que trabalha com canções de Chico Buarque pela sexta vez, depois dos sucessos ‘Na Bagunça do Teu Coração’ (1997), ‘Suburbano Coração’ (2002), ‘Ópera do Malandro’ (2003), ‘Ópera do Malandro em Concerto’ (2006) e ‘Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos’ (2014). [+] saiba mais panamericana Inusitado | Panamericana convida Ney Matogrosso 14/10 a 15/10 Música O novo show do projeto “Inusitado”, criado por André Midani para a Cidade das Artes, vai reunir a Banda Panamericana (formada por Dado Villa-Lobos, Dé Palmeira, Charles Gavin e Toni Platão) e Ney Matogrosso, nos dias 14 e 15 de outubro, em um espetáculo dedicado à música latina. Formada por grandes representantes do rock nacional, a Banda Panamericana tem como objetivo fortalecer  os vínculos musicais e culturais  com os países irmãos, divulgando no Brasil,  algumas das canções mais importantes do pop e rock hispano-americano, com versões em português.  [+] saiba mais les arts Les Arts Florissants - William Christie 17/10 Música No final do reinado de Luís XIV, as mudanças no estilo de vida aristocrático e o desenvolvimento de salões levou ao retorno da sociedade elegante de Versalhes para Paris. Este foi o início de uma nova era social e cultural: na música, isso trouxe uma evolução tanto de ambição e de formato. Embora as formas de grande escala, nomeadamente a Lyrique tragédie, permaneceram os modelos mais avançados de entretenimento da corte, uma arte mais confidencial desenvolvida, favorecendo formas mais modestas, como a sonata. No domínio da música vocal, o art de cour tinha permanecido muito popular desde o século 16; ele foi acompanhado, no início do século 18, por um novo gênero: o cantate. Esta forma se espalhar por toda a França através de círculos musicais, onde conviveram com os mais velhos, e muito em voga, cantata italiana.  [+] saiba mais rosas CIA DE DANÇA ROSAS - 05/11 a 07/11 Dança Drumming  (1998) é, sem dúvida, uma das coreografias mais fascinantes de Anne Teresa De Keersmaeker: admirável performance de dança, ao ritmo intenso para percussão do minimalista americano Steve Reich, cujo trabalho representou a linha musical que guiou De Keersmaeker desde Fase (1982), sua estreia como coreógrafa.   Reich compôs Drumming no período de 1970 e 1971, logo depois de uma viagem de estudos à África, seguindo um motivo rítmico obsessivo: multiplicando-se e evoluindo para uma rica variedade de texturas. Além de peles, madeira e metal, a composição também ouve a sutil presença de vozes. Neste trabalho, Reich chega ao extremo na técnica que havia aplicado anteriormente em Piano Phase (parte de Fase): pela técnica da aceleração, os músicos ‘quebram’ a unissonância de maneira quase imperceptível, proporcionando infinita inter-relação e reciprocidade entre cânones.     O Ictus Ensemble dá vida à peça com precisão deslumbrante.   Em sua coreografia, Anne Teresa De Keersmaeker preserva o espírito da composição, ao mesmo tempo em que a enriquece:  assim como na música, a complexidade da coreografia provém de uma única frase do movimento ao qual se aplicam infinitas variações em tempo e espaço. Somente quando a percussão se cala e os corpos se imobilizam é que o espectador percebe o que acaba de testemunhar:  uma viagem surpreendente, uma onda de pura dança e puro som, um turbilhão de energia vital.     [+] saiba mais osb OSB - Série Cidade das Artes IV 29/11 Música Realizada na Grande Sala, a “Série Cidade das Artes” da Orquestra Sinfônica Brasileira oferece grandes concertos com convidados renomados no circuito sinfônico internacional. Entre as atrações destaca-se a estreia brasileira do casal Sir James Galway (regência e flauta) e Lady Jeanne Galway (flauta), em 29 de novembro. Confira a programação completa da OSB no site www.osb.com.br. [+] saiba mais Ricardo Ricardo III 28/11 e 29/11 Teatro “Ricardo III”, obra de William Shakespeare, um dos maiores dramaturgos do teatro ocidental, pelas mãos do ator Gustavo Gasparani e do diretor Sergio Módena, chega agora à Cidade das Artes, vindo de temporadas de enorme sucesso, com lotação esgotada e elogios do público e crítica no Espaço SESC, no Teatro Maria Clara Machado e no Teatro Poeirinha. As palavras de Fernanda Montenegro, a seguir, comprovam esse reconhecimento: “Todas as glórias para Gustavo, pela inteligência, qualidade de ator, pela a coragem de enfrentar um texto dessa ordem e nos prender o tempo todo com tanta integridade e com tanto talento”.  Gustavo Gasparani recebeu indicações aos Prêmios Shell e Cesgranrio como melhor ator por este espetáculo e também foi indicado como diretor e autor pelo espetáculo Samba Futebol Clube, que teve no total doze indicações.   “Ricardo III” narra um pedaço da história da Inglaterra. É um dos primeiros dramas históricos escritos por William Shakespeare e encerra em si um dos contos mais tenebrosamente sedutores que já se ergueram em cena. Sua obra encanta diferentes gerações graças à universalidade dos seus temas e à beleza poética que emerge de sua escrita.   O texto traz uma visão rica dos bastidores políticos no que se refere à imoralidade e à ambição desmesurada para se alcançar o poder. Mesmo tendo se passado pouco mais de quatro séculos, os temas abordados servem para refletirmos sobre o mundo em que vivemos. “Ricardo III” discute a luta por poder, intrigas, e a hipocrisia da política.   Nesse projeto, Gustavo Gasparani e Sergio Módena voltaram a trabalhar juntos. A dupla já havia firmado uma parceria de sucesso em 2012, quando dirigiram o musical “As Mimosas da Praça Tiradentes”, que deu a Gustavo o prêmio Shell de melhor ator. Em 2013, Sergio Módena dirigiu “A Arte da Comédia”, que já acumula nove indicações entre os principais prêmios teatrais do Rio de Janeiro, incluindo o prêmio Cesgranrio de melhor direção, e foi indicada como uma das 10 melhores peças do ano na retrospectiva de teatro feita pelo jornal O Globo recentemente.   Em “Ricardo III”, Gustavo Gasparani e Sergio Módena também assinam a adaptação do texto de Shakespeare, que propõe um único ator para “contar” essa história fascinante.   O figurino de Marcelo Olinto se resume a calça jeans, uma blusa cinza e tênis. No palco estão uma luminária, uma mesa, um quadro negro, pilots, um apagador e um cabideiro, com os quais Gasparani “contracena” em cenário criado por Aurora dos Campos.   Essa adaptação de “Ricardo III” entra em contato, de forma clara e simples, com a obra de William Shakespeare. Afinal, as questões levantadas pelo bardo inglês continuam pungentes, pertencem às ruas, aos homens e mulheres de qualquer idade e classe social. Enfim, pertencem ao nosso mundo que, cada vez mais tecnológico, pode ser terrivelmente primitivo quando o lado sombrio de nossa natureza se manifesta perante o mais ínfimo vislumbre de poder.   Um espetáculo de linguagem popular e acessível, que transita entre a construção poética original de Shakespeare e intervenções narrativas para revelar a alma humana. Assim como fazia Shakespeare em seu tempo.  [+] saiba mais hamlet Hamlet 30/11 e 01/12 Teatro O mundialmente renomado Shakespeare’s Globe apresentará a peça Hamlet – considerada a melhor peça de Shakespeare.   Ao saber da morte do rei, seu pai, Hamlet volta para casa e encontra seu tio casado com sua mãe e já instalado no trono da Dinamarca. À noite, o fantasma do antigo rei exige que Hamlet se vingue de seu ‘assassinato brutal e injusto’.   Envolvendo intriga política e obsessão sexual, reflexões filosóficas e violência, morte trágica e humor selvagem, Hamlet é o ‘poema sem limites’ de Shakespeare:  um gigante na história da língua inglesa e a mais rica expressão da genialidade de Shakespeare.   Com duração de apenas duas horas e meia e com tournées a todos os países do mundo em dois anos, um grupo de atores viajantes apresentará uma montagem natural e surpreendentemente simples desta peça inexaurível.  [+] saiba mais Imagem Projeto Interlocuções: Psicanálise e Literatura 24/01 a 26/12 Arte e Educação A proposta é ler em grupo e em voz alta, algumas versões do mito Don Juan, começando pela de Moliére (1665), para abordar, à luz da psicanálise, os temas sedução e desejo.   Livro: Moliére, "Don Juan e o convidado de pedra" (1665) Ed. L&PM pocket, tradução: Millôr Fernandes.   Todas as sextas-feiras. [+] saiba mais contação de historias Contação de Histórias 06/09 a 27/12 Arte e Educação A cada sábado novas histórias e aventuras são apresentadas pelas mediadoras da Sala de Leitura da Cidade das Artes.   Traga sua família e venha se divertir!       [+] saiba mais